Deputado federal prevê vitória da oposição sobre governos do PT

Postado em jan 30 2014 - 12:51pm por Jornal da Chapada
cajado

O parlamentar do DEM, Cláudio Cajado confia em Souto para encabeçar a chapa majoritária da oposição | FOTO: Reprodução |

Os debates sobre quem vai comandar a chapa majoritária da oposição já romperam as fronteiras da Bahia há muito tempo e, dessa vez, foi o deputado federal Cláudio Cajado (DEM) que apostou na vitória da oposição contra o projeto do PT para o governo do estado – mesmo sem a definição do nome que vai liderar o processo. Em visita aos diretores da Tribuna, Walter Pinheiro (presidente) e Marcelo Sacramento (Relações Institucionais), o parlamentar disse não saber se a decisão sairá mesmo de uma reunião prevista para amanhã (dia 31) ou se será adiada para os próximos dias.

Questionado sobre a chapa ideal para a oposição enfrentar o pré-candidato petista, Rui Costa, Cajado diz que, atualmente, a disputa ficou entre João Gualberto, que já se posiciona como candidato a vice-governador, e Paulo Souto e Geddel na concorrência para encabeçar a chapa. “A questão é se os entendimentos prosperarão, porque eu vejo que Paulo Souto resistia e agora ele não resiste mais. Então me parece que ele irá, eventualmente, aceitar essa missão, até porque é uma vontade expressas pelas pesquisas, ele retornar para o governo do estado”, salienta.

Cajado ainda afirma que aposta na majoritária formado pelos três e defende Souto para comandá-la. “Defendo não apenas pelo governo, que a meu ver foi muito bom, mas também pela sua experiência, pela visão, pelas ideias que se aproximam muito das minhas, por ele ser Democrata, muito mais que Geddel. Apesar de que Geddel também mostrou competência – conseguiu efetivar com pragmatismo as demandas que o Ministério da Integração tinha, e eu acho que também é um bom nome. Mas penso que, nesse momento, para o cenário político da Bahia, é o governador Paulo Souto. Se ele não aceitar eu penso que existe também outro nome, que é o secretário de Transportes de Salvador, José Carlos Aleluia, que éum nome forte do Democratas”.

Ao defender a linha do provável programa de governo da oposição, o democrata disse que a chapa vai disputar apostando em um modelo de gestão arrojado, preocupado com o planejamento e execução das políticas públicas, seja a médio ou longo prazo.

Críticas às gestões de Dilma e Wagner
Com as críticas em dias, o parlamentar baiano não ficou restrito às finanças do governo de Jaques Wagner e tampouco da gestão de Dilma na presidência da República. Ele destacou que o partido sofreu muito com a oposição e acha que é hora de o cenário mudar. “Acredito que faltou o governo mostrar competência nas áreas de segurança e saúde, o estado perdeu um momento importante de avançar em áreas importantes. Eles poderiam ter feito projetos inovadores na área de educação e da cobertura social, e não fizeram”.

Cajado também disparou contra as iniciativas de Jaques Wagner para além do programa Bolsa Família. Segundo o democrata, não houve nenhum trabalho de planejamento estratégico para a população que sofreu com a seca. “Mas na época de Paulo Souto houve, foram construídas diversas barragens”. Já sobre o cenário nacional, a política é predominante nas respostas do deputado do DEM. Por ser da oposição, ele defende a candidatura que fazem essa frente, e vê com otimismo o momento não só na Bahia como também nacional.

“Nacionalmente falando, eu acho que as condições da eleição da Dilma já levaram a um cenário que o Serra teve quase 44% dos votos, se não me engano. E, de lá para cá, o cenário não melhorou, em minha opinião, pelo contrário. A questão política tornou-se ainda mais complexa, vire e mexe tem problemas com o PMDB”, declara Cajado.

Ele diz também que houve uma deflexão grave na base da presidente Dilma, que foi a saída do governador Eduardo Campos (PSB), para concorrer ao cargo de presidente ao lado da Marina Silva (REDE). Para o parlamentar esse foi o grande fato político que ocorreu em 2013. “Essa junção do PSB com a REDE e a própria aceitação da Marina, de eventualmente estar ao lado do Eduardo Campos, não desistindo de fazer uma política mais ativa, é um cenário novo. Juntamente com uma oposicionista, que para mim enverga a imagem da oposição, que é o senador Aécio Neves, por ser do PSDB”. Extraído da Tribuna da Bahia.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.