‘Não teve malícia’, diz assistente sobre comentário de técnico no Catarinense

Postado em abr 10 2014 - 10:40pm por Jornal da Chapada
bonita

Bonita, Maíra diz que não viu malícia no comentário do treinador | FOTO: Arquivo Pessoal |

São quase nove anos de carreira, e a auxiliar de arbitragem Maira Americano Labes sempre tem um objetivo ao entrar campo, seja em jogos amadores ou profissionais em Santa Catarina: mostrar que a mulher entende e tem competência e capacidade para trabalhar numa partida de futebol. Segundo ela, o caminho está sendo atingido pouco a pouco. Mas no último fim de semana, no duelo entre Juventus e Chapecoense pela nona rodada do hexagonal do Campeonato Catarinense, ela acabou surpreendida com um comentário que não deveria fazer parte do ambiente de trabalho.

A personal trainer de 25 anos, moradora de Itajaí, ouviu do técnico do Moleque Travesso, Celso Teixeira, expulso pelo árbitro Paulo Henrique de Godoy Bezerra aos 16 minutos do segundo tempo, o recado. “Vou sair, sua gostosa”, disse o treinador, que depois se defendeu e revelou ter levado um puxão de orelha do próprio filho. O comentário foi relatado em súmula, e a catarinense diz que é normal. Tanto que preferiu minimizar.

“Na hora eu ouvi, mas nem dei bola. O jogo estava um pouco tumultuado, e eu, focada. Só depois, junto com toda a arbitragem, o quarto árbitro (Clodoaldo Jusviack), que também ouviu, relatou para o Bezerra. Expliquei como aconteceu, e o fato foi para a súmula. Simples, como tudo o que ocorre em campo. Não vi como uma forma desrespeitosa em relação à mulher. Respeito o trabalho do treinador, é igual ao meu, todos são capacitados. Ele falou no impulso, e não vejo como malícia. Acredito que é uma boa pessoa”, disse Maíra ao GloboEsporte.com.

esporte

Celso Teixeira e Maira Americano Labes – polêmica após expulsão do treinador | FOTO: Divulgação |

Bonita, loira e em forma, a personal trainer sabe que o corpo chama a atenção, principalmente nos estádios, reduto em maioria de torcedores masculinos. Mas diz que dentro de campo sempre houve respeito. Apaixonada por futebol desde pequena, Maira sonha agora com a vaga no quadro de árbitros da CBF. Atualmente, a catarinense apita apenas jogos femininos, mas espera em breve apitar partidas das Séries A e B.

“A mulher em campo é um instrumento diferente, não é muito comum, tem jogo que só trabalham homens. Temos que cuidar do corpo, e isso com certeza chama atenção, ainda mais no estádio. Mas a beleza deveria passar despercebida”, diz ela, que acredita estar trilhando o rumo para alcançar seus objetivos. “Amo o meu trabalho. Gostaria de chegar a essa igualdade com os homens, estar em campo por merecimento. E nós estamos no caminho certo, as mulheres estão crescendo no estadual e fazendo um belo trabalho. Só tenho a agradecer o incentivo que temos para tudo isso”.

Apesar da repercussão nas redes sociais, Maira leva numa boa o ocorrido em Jaraguá do Sul. Para ela, Celso se expressou num momento em que estava alterado, em decorrência da expulsão. E volta a dizer que não entendeu a frase com conotação sexual. “Cada um encara uma coisa dessas de uma forma. Queremos é cumprir o nosso trabalho, esse é o nosso desejo. Sermos reconhecidas pelo nosso trabalho. Todas as mulheres querem ser respeitadas”, finalizou. Extraído do Globo Esporte.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.