Jornal da Chapada

#Artigo: Os “profissionais”, os “dedicados” e os abnegados

“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos!”. (Mt 09, 37-38)

¨*Por Joy de Utinga

Quando a vida de todos está a depender daqueles que se autoproclamam “profissionais”, ou de outros tantos que se auto-elogiam como “dedicados”, eis que chegou a pandemia, o coronavírus para testá-los e separar o joio do trigo.

Essa crise passará a fina peneira e escancarará a diferença fundamental entre os “profissionais”, os “dedicados” e os abnegados. Estes últimos, a abdicar da sua própria segurança, da saúde dos seus familiares e até mesmo, da sua própria vida, como que um comandante de navio em naufrágio que recusa-se a sair da embarcação, enquanto não socorrer o último dos seus passageiros.

Em nome de toda a população de Utinga, meu apelo e meu muito obrigado aos abnegados servidores públicos e voluntários, na essência dos termos, apesar daqueles, que apenas “profissionais”, escondem-se, acovardam-se ou pulam da embarcação em meio ao que sequer podemos chamar de naufrágio.

Navegar é preciso e mar calmo nunca fez bom marinheiro. Juntemos forças, abnegados, e salvaremos nossos semelhantes. Somos utinguenses, baianos e brasileiros, não desistiremos, jamais.

Deus nos abençoará!

*Joy de Utinga é natural do povoado de Amparo (Zuca), que é dividido entre os municípios de Ruy Barbosa e Boa Vista do Tupim. Ele é casado, técnico em contabilidade, graduado em Administração, ex-servidor concursado do Ministério da Saúde e Baneb, aposentado pelo Banco do Brasil e prefeito de Utinga.