Jornal da Chapada

#Brasil: “Deveria ter dado mais atenção aos meios alternativos”, diz Lula ao fazer autocrítica sobre imprensa

Em entrevista ao canal 'Meteoro Brasil', o ex-presidente lembrou que, quando Franklin Martins estava na Secom, seu governo ampliou apoio estatal aos meios alternativos, “mas não fizemos tudo o que poderíamos ter feito”.

Entre os vários temas abordados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em sua entrevista para o canal do YouTube ‘Meteoro Brasil’, nesta terça-feira (22), um dos mais que mais chamou a atenção foi o da imprensa, já que incluiu uma autocrítica do líder petista, que admitiu que “deveria ter dado mais atenção aos meios alternativos”.

A entrevista foi realizada pelos jornalistas Ana Lesnovski, Álvaro Borba e Sandoval Matheus. Foi de Borba a pergunta sobre como Lula via a questão da imprensa no Brasil hoje, considerando especialmente sua ausência de boa parte dos grandes meios de comunicação neste momento.

O ex-presidente fez um balanço de como a imprensa brasileira o vem tratando desde que se tornou figura pública, especialmente os meios tradicionais. Ao terminar de falar sobre o período em que governou o país, Lula comentou que “se tem algo que eu me arrependo é que eu deveria ter dado mais atenção à chamada imprensa alternativa, aqueles caras que eles (a mídia tradicional) chamavam de ‘blogueiros sujos’, eu deveria ter dado mais importância”.

“Hoje, eu compreendo que a imprensa brasileira (em referência aos meios tradicionais) não é uma imprensa preocupada com a informação. É uma imprensa de classe. É uma imprensa que tem um pensamento econômico conservador, que tem um pensamento social conservador, e ela não está preocupada com a pobreza. Ela trata o pobre como se fosse um número e não como se fosse um ser humano”, explicou Lula.

O ex-mandatário continuou afirmando que “tenho uma imprensa alternativa onde eu tenho bastante liberdade de conversar com as pessoas sobre qualquer assunto”.

Para terminar, Lula lembrou que “junto com o Franklin Martins (secretário da Comunicação Social no final do seu segundo mandato), nós adotamos critérios (sobre o apoio estatal aos meios) para fazer uma comunicação mais democrática, de 400 meios de comunicação que recebiam dinheiro do governo passamos a mais de 4 mil com essas mudanças, mas não fizemos tudo o que poderíamos ter feito”. A redação é do site da Revista Fórum.

Assista aqui o trecho da entrevista, podendo também acompanhá-la na íntegra posteriormente:

Pular para a barra de ferramentas