Jornal da Chapada

#Chapada: Brigadistas voluntários pontuam dificuldade no combate a incêndio; “A gente trabalha sem parar, mas não dá conta”

Fatores externos, como altas temperaturas e falta de chuvas complicam ainda mais o combate às queimadas.

Os brigadistas voluntários estão enfrentando dificuldade nos trabalhos de combate às queimadas na Chapada Diamantina. A tentativa de debelar o fogo na região já dura 16 dias e é está sendo ainda mais complicada por fatores externos, como altas temperaturas e falta de chuvas.

“É muito fogo, muito mesmo. Dá uma dor no coração ver a nossa natureza virar pó desse jeito. A gente trabalha sem parar, mas não dá conta”, desabafou um brigadista. A Brigada Voluntária da Chapada Diamantina atua desde 1994 e é a mais antiga na Bahia.

Conforme informações do Corpo de Bombeiros, o fogo está atingindo a cidade de Lençóis, Iraquara, Barra e Macaúbas. Em Mulungu do Morro, a área permanece em monitoramento. Já em Oliveira dos Brejinhos, o incêndio foi extinto.

Às margens da BR-242, no trecho de Lençóis, as chamas se espalham às margens de rodovias, o que aumenta o risco de acidentes, visto que os condutores perdem a visibilidade. Ainda na rodovia, após a entrada da cidade de Itaberaba, portal de entrada da Chapada Diamantina, um foco foi visto por motoristas que passavam pelo local, na terça-feira (21).

Os brigadistas ainda trabalham, inclusive, para apagar incêndios na comunidade de ‘Tanquinho’, que fica a 20 quilômetros de Lençóis, próximo ao aeroporto da cidade. Além disso, drones também estão sendo utilizados para monitorar as ocorrências, sobrevoando as áreas atingidas. Jornal da Chapada com informações de texto base do G1-BA.

Pular para a barra de ferramentas