Jornal da Chapada

#Mundo: Varíola do macaco se espalha e preocupa governos da Europa; confira como se dá a transmissão e a prevenção

Brasil apresenta dois casos suspeitos da doença | FOTO: Reprodução/redes sociais |

Os casos que deveriam ser incomuns de varíola do macaco se espalham pela Europa. As autoridades sanitárias portuguesas confirmaram nesta quarta-feira (18) que há cinco casos da infecção identificadas no país, enquanto a Espanha também admitiu que há cidadãos com os típicos sintomas da enfermidade tropical que aguardam a realização de exames minuciosos, mas pelas características apresentadas pelos pacientes, trata-se, provavelmente, de uma contaminação pelo orthopoxvirus.

Segundo o informe da Direção-Geral da Saúde (DGS) de Portugal, órgão responsável por monitorar as ocorrências sanitárias no país, 15 outros casos foram reportados na Região Metropolitana de Lisboa e ainda aguardam os testes comprobatórios. Em comum, os pacientes têm o fato de serem homens jovens.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos afirmou nesta quarta-feira (18) que acompanha um caso de varíola do macaco em Massachusetts. O paciente viajou recentemente para o Canadá, segundo as autoridades locais.

Transmissão
Ainda não está claro para as agências de saúde e controle de doenças como se dá a transmissão, há duas principais hipóteses: por relações sexuais e por meio de aberturas/feridas no corpo.

As autoridades sanitárias da Grã-Bretanha reiteraram as suspeitas de que as infecções pela varíola do macaco estariam ocorrendo por via sexual, aconselhando a todos que redobrem os cuidados em suas relações e que usem sempre preservativos.

Segundo o CDC, a transmissão pode se dar por:

– Gotículas do vírus

– Contato direto com lesões ou fluídos corporais de uma pessoa infectada

– Contato indireto por meio de roupas ou lençóis contaminados

Sintomas
Segundo o CDC o tempo de incubação (da infecção até os sintomas) varia de 7 a 14 dias, mas pode variar de 4 a 21 dias

Os primeiros sintomas são:

– Febre

– Dor de cabeça

– Dores musculares

– Dor nas costas

– Linfonodos inchados

– Arrepios

– Exaustão

Dentro de 1 a 3 dias (às vezes mais) após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, geralmente começando no rosto e se espalhando para outras partes do corpo. As lesões progridem a partir dos seguintes estágios:

– Máculas (mancha na pele acompanhada de lesão)

– Pápulas (lesões na pele que podem ser roxa ou marrom)

– Vesículas

– Pústulas (bolas com pus que aparecem na pele)

– Crostas

Prevenção
De acordo com o CDC existem várias medidas que podem ser tomadas para prevenir a infecção da varíola dos macacos:

– Evitar contato com animais que possam abrigar o vírus

– Evitar o contato com qualquer material como roupas de cama que tenha tido contato com pessoas infectada

– Isolar os pacientes

– Higienização das mãos

– Utilização de máscaras

Tratamento
Ainda não há um tratamento específico para a varíola do macaco, mas segundo a CDC a vacina existente contra a varíola pode ser usada e ela é até 85% eficaz. Redação da Revista Fórum com informações do CDC.

Pular para a barra de ferramentas