Jornal da Chapada

Chapada: Deputado diz que recebe denúncias sobre atendimento precário em hospital inaugurado

“O que transparece é que o governador quis apenas fazer a sua campanha a reeleição ao inaugurar um hospital que ainda não dispõe de operacionalidade”, diz Leur Lomanto Jr. | FOTO: Montagem do JC/Arquivo |

Embora inaugurado há mais de um mês pelo governador do estado Rui Costa (PT), o Hospital Regional da Chapada, localizado na cidade de Seabra, ainda não contemplou a promessa de atendimento amplo aos pacientes da região. É o que diz o líder da bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), Leur Lomanto Jr. (MDB), que divulgou nota para a imprensa afirmando que recebeu denúncias de que a unidade hospitalar não tem atendido a grande demanda, conforme expectativa dos moradores de municípios da Chapada Diamantina.

“Há relatos de que a situação tem sido vergonhosa, com ausência de atendimento e de informações para a população que busca os serviços do Hospital. Consta que apenas o setor de emergência estaria funcionando, deixando a desejar as demais assistências e criando frustrações nos pacientes”, lamentou Leur Jr.

Segundo o líder, a realidade exposta pelos moradores não condiz com a propaganda apresentada pelo governo do estado. “O que transparece é que o governador quis apenas fazer a sua campanha a reeleição ao inaugurar um hospital que ainda não dispõe de operacionalidade. Falta estrutura e pessoal para atendimento. Isso que está acontecendo é um absurdo. Espero que o governo do estado solucione essa questão imediatamente a fim de normalizar o funcionamento da unidade, que foi tão almejada pela população, em uma obra que se arrastou por dez anos, desde a gestão do ex-governador Jaques Wagner (PT)”, recordou.

Ainda de acordo com o deputado, “há informações que diante da situação, alguns pacientes teriam buscado hospitais de outras cidades, mas o atendimento estaria sendo recusado pelas administrações por alegarem o funcionamento do Hospital em Seabra. Há rumores de que a demora em relação a algumas contratações se daria por conta de nomeações políticas”. As informações são de assessoria.

Pular para a barra de ferramentas