Adab atualiza a legislação de transporte de capulhos, sementes e caroços de algodão em território baiano

Postado em set 2 2014 - 4:42pm por Jornal da Chapada
adab

A portaria proíbe, principalmente, o transporte de capulhos, sementes e caroços de algodão a granel em veículos que não estejam totalmente vedados, para evitar que o conteúdo de sua carga caia nas vias públicas ou nas rodovias | FOTO: Reprodução |

Foi publicada no Diário Oficial da União do último sábado (30), a nova portaria de transporte de capulhos, sementes e caroços de algodão a granel no Estado da Bahia. Diante do problema causado por plantas de algodão que crescem nas margens das rodovias constituindo potenciais focos de pragas, decorrentes do derramamento de sementes e sua posterior geminação, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria da Agricultura, atualizou a portaria de transporte de algodão com a finalidade de prevenir o estabelecimento de plantas voluntárias (tigueras) nas áreas de servidão das rodovias, minimizando o risco de focos, principalmente do Bicudo do Algodoeiro.

A portaria proíbe, principalmente, o transporte de capulhos, sementes e caroços de algodão a granel em veículos que não estejam totalmente vedados, para evitar que o conteúdo de sua carga caia nas vias públicas ou nas rodovias. Para isso, o coordenador do Projeto Fitossanitário do Algodão da Adab, Urbano Cardoso, explica que a responsabilidade do acondicionamento é do transportador, do proprietário e/ou do estabelecimento de origem. “O veículo que estiver transitando em desacordo com a exigência, e for parado pela fiscalização da Adab, terá a carga retida e só será liberada após reparo da lona ou do material de vedação”, completa o engenheiro agrônomo e fiscal estadual agropecuário.

outra

Os caroços, sementes e capulhos do algodão caem dos caminhões e se tornam a fonte do problema para a produção, seja ela do pequeno, médio ou grande produtor | FOTO: Reprodução |

Os caroços, sementes e capulhos do algodão caem dos caminhões e se tornam a fonte do problema para a produção, seja ela do pequeno, médio ou grande produtor. Por isso, o diretor de Defesa Sanitária Vegetal, Armando Sá, esclarece que vai realizar um trabalho mais incisivo de fiscalização nos postos fixos e móveis, além de educação sanitária, na busca pela conscientização dos transportadores e das algodoeiras, usinas beneficiadoras, a fim de tentar amenizar o agente causador.

“A medida se tornou necessária pela situação que se agravou no último ano. As plantas se desenvolveram com força total, o que causou preocupação por parte dos produtores e empresários, da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e do órgão de Defesa Agropecuária”, disse o diretor. Esta nova portaria foi consequência da reunião realizada na no dia 17 de março, na sede da Adab em Salvador, quando a questão foi debatida pela diretoria da Agência e o setor produtivo.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.