CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundo

Itamaraty reitera contrariedade com anúncio da execução de brasileiro

foto
A defesa de Gularte também tenta adiar a execução da pena com um pedido revisão judicial do caso | FOTO: Arquivo Pessoal |

Ante a iminente execução do brasileiro Rodrigo Gularte, anunciada pelas autoridades indonésias para as próximas horas, o Ministério de Relações Exteriores do Brasil entregou ao encarregado de Negócios da Embaixada da Indonésia, em Brasília, nota diplomática em que condena a medida e pede que a execução seja suspensa. Rodrigo Gularte foi condenado à morte por tráfico de drogas. No último sábado (25), o governo indonésio convocou representantes dos presos e diplomatas de seus países de origem para reunião na prisão de Nusakambangan, em Cilacap, a cerca de 400 quilômetros de Jacarta, capital do país, para informar sobre a execução. Pelas leis da Indonésia, a execução ocorre em até 72 horas após a comunicação oficial do cumprimento da pena.

Na nota diplomática, documento que serve para expressar a contrariedade do governo – entregue no domingo (26) ao representante do governo indonésio no Brasil e também a autoridades em Jacarta –, o Itamaraty pede que as autoridades indonésias levem em consideração a questão humanitária, a situação de saúde de Gularte – que sofre esquizofrenia –, os direitos humanos e o respeito à vida. No documento, o governo brasileiro reitera a tese de ineficácia da pena de morte no combate ao tráfico de drogas. A defesa de Gularte também tenta adiar a execução da pena com um pedido revisão judicial do caso. É a segunda vez que o advogado do brasileiro tenta esse recurso. O primeiro foi negado pela Justiça da Indonésia.

Além de Gularte, sete estrangeiros e um indonésio condenados à morte por tráfico de drogas já foram levados para a ilha onde fica localizada a prisão de segurança máxima. Lá são executados os condenados à morte. Na fila de execução há cidadãos da Austrália, das Filipinas, da Nigéria e de Gana. Em janeiro, a Indonésia executou seis traficantes de drogas, incluindo o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, o que causou uma crise diplomática entre a Indonésia e o Brasil. O país asiático, que retomou as execuções em 2013, após cinco anos de moratória, tem 133 prisioneiros no corredor da morte, dos quais 57 condenados por tráfico de drogas, dois por terrorismo e 74 por outros crimes. Da Agência Brasil.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas