Dilma diz que não demitirá ministros com base em denúncias da imprensa

Postado em jul 1 2015 - 8:28am por Jornal da Chapada
foto

Dilma Rousseff durante reunião de trabalho com Barack Obama | FOTO: Roberto Stuckert Filho/PR |

A presidenta Dilma Rousseff voltou a criticar na terça-feira (30) o que considera “vazamento seletivo” de depoimentos de delação premiada de investigados da Operação Lava Jato. Ela disse que não vai demitir ministros baseada em denúncias veiculadas pela imprensa e acrescentou que condenar sem provas é uma prática da Idade Média.

“Estranhamente, há um vazamento seletivo que alguns têm. E aí, durante um tempo, podem falar o que quiserem porque aqueles que são mencionados não têm como se defender, porque não sabem do que são acusados”, criticou Dilma, em entrevista ao lado do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, após reunião de trabalho na Casa Branca.

No fim de semana, jornais publicaram trechos da delação premiada do presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, em que o executivo cita dois ministros próximos da presidenta Dilma Rousseff, o da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, teriam recebidos recursos do esquema investigado pela Operação Lava Jato como doações para campanha eleitoral.

“Nunca demiti ministro, ou aceitei ministro nomeado pela imprensa ou demitido pela imprensa. E, assim sendo, vou aguardar toda a divulgação dos fatos para avaliar a situação. Agora, em princípio, acredito que seja necessário pelo menos que todos nós tenhamos acesso à mesma coisa. O governo brasileiro não tem acesso aos autos”, reclamou.

Dilma acrescentou que é preciso respeitar o direito à defesa, conquistado com a democracia, e reiterou que não se pode condenar alguém sem provas. “A obrigação da prova é ser formada com fundamentos e não simplesmente com ilações ou sem acesso às peças acusatórias. Isso é um tanto quanto Idade Média, então não é isso que se pratica hoje no Brasil.”

A presidenta também defendeu a Petrobras. Disse que as denúncias de corrupção que envolveram alguns diretores não podem ser generalizadas para toda a estatal e que agora a empresa está bem gerida. “A Petrobras não é uma empresa sub judice [sob apreciação criminal]. A Petrobras é uma empresa em pleno uso da sua atividade.”

No fim de semana, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, confirmou que recebeu da empreiteira UTC o valor de R$ 500 mil para sua campanha ao governo do estado de São Paulo em 2010 e destacou que todo o valor foi declarado à Justiça Eleitoral. No mesmo dia (27), o ministro Edinho disse que a empreiteira é historicamente conhecida por fazer doações em campanhas eleitorais a diversos partidos e questionou o fato de apenas os repasses feitos ao PT serem alvo de suspeita.

No final de semana, o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, confirmou que recebeu da empreiteira UTC o valor de R$ 500 mil para sua campanha ao governo do estado de São Paulo em 2010 e destacou que todo o valor foi declarado à Justiça Eleitoral. No mesmo dia (27), o ministro Edinho disse que a empreiteira é historicamente conhecida por fazer doações em campanhas eleitorais a diversos partidos e questionou o fato de apenas os repasses feitos ao PT serem alvo de suspeita. Da Agência Brasil.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.