Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundo

Mulher britânica pode morrer se tiver contato com rede wi-fi e celular

foto
Para evitar maiores danos, Jackie evita qualquer tipo de eletrônico em sua casa | FOTO: Reprodução/DailyMail |

A britânica Jackie Lindsey, de 50 anos, afirma sofrer com uma doença que pode matá-la caso ela tenha contato com celulares e redes de wi-fi. Ao “Daily Mail”, Jackie conta que quando tinha oito anos de idade sofria de problemas neurológicos como tonturas, dores e formigamentos nas mãos. Como nenhum médico conseguiu encontrar o motivo dos sintomas, a britânica passou a procurar por conta própria e descobriu que podia ser alérgica à eletricidade, um distúrbio conhecido como hipersensibilidade eletromagnética (EHS).

Para evitar maiores danos, Jackie evita qualquer tipo de eletrônico em sua casa, em Dorset (Reino Unido), e raramente sai às ruas. Quando precisa ir à algum lugar, a britânica usa uma roupa feita de prata – parecida com as usadas por apicultores – que reflete os campos magnéticos. Ela também carrega um detector de campo eletromagnético para se sentir mais segura.

“Sei que é difícil que me levem a sério. A maioria das pessoas acha que enlouqueci, e isso me ofende profundamente. Por que eu ia querer perder tudo que faz alguém se sentir humano? Não posso viajar de férias, meu Natal é sempre triste, não posso me juntar a ninguém, mas infelizmente tem de ser desse jeito”, desabafou a mulher. “Eu vivo de gás, ou seja, demoro 12 horas para ter água quente e uso velas para iluminar minha casa”, acrescentou.

Segundo uma pesquisa feita no Reino Unido, 4% da população sofre com esse tipo de doença. Além disso, esse número pode subir devido ao aumento de uso tecnológico. Extraído da Rede TV.

 

| FOTO: Reprodução/DailyMail |
| FOTO: Reprodução/DailyMail |
| FOTO: Reprodução/DailyMail |

 

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios