Salvador: Zoológico comemora nascimento de 13 filhotes de Salamanta

Postado em fev 12 2016 - 11:00am por Jornal da Chapada
foto6

O Zoológico de Salvador foi o primeiro do país a participar efetivamente em múltiplos programas de manejo, reprodução e pesquisa com espécies brasileiras | FOTO: Divulgação/Inema |

A equipe técnica do Zoológico está comemorando o nascimento de 13 filhotes de Salamanta (Epicrates cenchria), ou jiboia arco-íris, serpente de ampla ocorrência no território brasileiro, inclusive no estado da Bahia. A reprodução desta espécie significa o sucesso do equilíbrio ecológico do Parque, já que a espécie não costuma procriar em cativeiro por motivos como ambiente, alimentação e protocolo clínico sanitário.

Desde 2007 o Zoo prioriza a conservação e promove pesquisas científicas com espécies silvestres da fauna e flora nacional, com ações em cativeiro. O Zoológico de Salvador foi o primeiro do país a participar efetivamente em múltiplos programas de manejo, reprodução e pesquisa com espécies brasileiras.

Coordenador do Parque, Gerson Norberto destacou os procedimentos técnicos realizados no Zoo como principal fator para o sucesso. “A reprodução em cativeiro é uma importante ferramenta para manutenção das espécies. Para isso, o Zoológico conta com uma equipe especializada, desenvolvendo ações de medicina preventiva, nutrição, ambientação dos recintos, entre outros, que garantem o bem-estar animal”, disse Norberto.

Além desta espécie, que pode atingir até 1,5m de comprimento e se alimenta de principalmente de roedores e marsupiais, lagartos e aves, o Setor de Herpetologia já conseguiu reproduzir com sucesso as seguintes espécies brasileiras: Tracajá (podocnemis unifilis), cagado-cabeça-de-cobra (Phrynops tuberculatus), Tigre d’água nacional (Traquemys dorbignis), tartaruga-da-amazônia (Padocnemys spansa), Jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris), sucuri-verde (Eunectes murinus), muçuã (Kinosternon scorpioides), cágado-de-barbicha (Phrynops geoffroanus), cascavel (Crotalus durissus), iguana (iguana iguana) jabuti-piranga (Chelonoidis carbonaria), jabutitinga (Chelonoidis denticulata) e aperema (Rhinoclemmys punctularia).

Reprodução em 2015
No ano passado foram 45 aves, 55 répteis e 14 mamíferos reproduzidos em cativeiro no Zoo. Entre eles, a onça-preta, que recebeu através de votação popular o nome de Diaurum. Hoje, o Jardim Zoológico conta com mais de 1 mil e 600 animais em seu plantel, sendo eles 90% nativos.

Importância dos zoológicos
Os zoológicos espalhados pelo mundo são importantes ferramentas no combate a este processo. Através de ações diretas e indiretas, como educação ambiental, produção científica, incentivo a reprodução de espécies ameaçadas e a reintrodução assistida, é permitido que diversos níveis sociais tenham acesso a informações e conhecimento de cada espécie trabalhada.

Com isso, permite-se criar uma consciência ecológica mais ampla. Preocupado com esse cenário, o Zoológico de Salvador sempre busca intensificar o seu projeto de reprodução em cativeiro de espécies silvestres (nativas), com adequação de ambiente, de dieta e esforço técnico conjunto de biólogos e veterinários. As informações são do Inema.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.