Pular para a barra de ferramentas
AssessoriaCidadesCuriosidadesMenu Principal

Projeto requer uso do Parque da Cidade para atividades de religiões de matriz africana

foto67
“Precisamos criar mecanismos de proteção aos adeptos dessas religiões”, diz Suíca | FOTO: Divulgação |

O projeto de indicação (nº 66/2016) encaminhado ao Executivo de Salvador pelo vereador Luiz Carlos Suíca (PT) cobra o reconhecimento do uso do Parque da Cidade para a realização de atividades de segmentos de religiões de matriz africana. De acordo com o edil, “a proposta deve garantir que os seguidores religiosos tenham o direito à manifestação de cultos nos espaços públicos”. Atualmente, representantes das religiões de matriz africana denunciam o preconceito e discriminação que sofrem ao chegar ao local. “Precisamos criar mecanismos de proteção aos adeptos dessas religiões. Cada um tem o direito de seguir sua fé e expressar suas convicções, desde quando respeite as diferenças sociais e particularidades de cada cidadão. Cabe ao poder público mediar possíveis conflitos”, explica o vereador.

Maria Jutuacira Lisboa, popularmente chamada de ‘Mãe Juta’, do ‘Centro de Caboclo de Tupininquin’, em Pernambués, apoia o projeto de Suíca. “Precisamos tornar o parque um espaço democrático e acessível para todos, inclusive para a prática religiosa. Faz parte da nossa história, de nossa cultura. Quando estou no parque, a certeza é a de que a ‘energia’ existe. Podemos compartilhar isso”, enfatiza. Mas, para ‘Odun Ará’, como é conhecido Almir Silva Santos, no segmento ‘Afoxé Bambuxê’, a energia nem sempre é positiva. “Os seguranças do espaço pedem para que a gente se apresente e perguntam quais objetos estamos portando. Parece que estamos fazendo algo de errado”, denuncia. Outra preocupação é a retirada de árvores que, para os religiosos, são ‘sagradas’. “A reforma do parque deve ser planejada e com consulta à população. Não é isso que estamos percebendo”, reclama Santos.

O grupo Afoxé é do Nordeste de Amaralina, região próxima ao Parque da Cidade. Segundo Santos, existe uma “integração de pessoas da comunidade por meio de atividades da religião no bairro”. Santos ainda frisa o trabalho social do grupo. “É uma forma de incluir as pessoas em um contexto de valores que a religião ajuda na formação moral e cidadã. Também queremos seguir com estas pessoas para o espaço. Porém, nem sempre isso tem sido viável”, completa. Um ato está marcado para o próximo dia 3 de abril, quando adeptos de diferentes segmentos de religiões de matriz africana se reúnem no Parque de Cidade com o Movimento de Cultura Popular do Subúrbio (MCPS). A intenção é protestar sobre a apropriação deste e de outros espaços de Salvador. Atualmente, os parques de Pituaçu e de São Bartolomeu também recebem religiosos de diferentes crenças da cidade.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios