CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundo

Advogadas feministas promovem mutirão gratuito com debate sobre 10 anos da Lei Maria da Penha

foto6
Nas últimas edições, uma média de 180 mulheres foi atendida | FOTO: Divulgação |

O grupo TamoJuntas, formado pelas advogadas Laina Crisóstomo, Carolina Rola, Aline Nascimento e Natasha Barreto promove mais uma edição do Mutirão Lei Maria da Penha no próximo dia 6 de agosto, às 9h, na Igreja Batista de Nazareth. É a terceira edição do projeto, que agrega uma imensa quantidade de mulheres em situação de violência, a fim de fornecer suporte jurídico e emocional às vítimas sem custo nenhum. O terceiro mutirão, que marca 10 anos da lei Maria da Penha, terá uma programação especial.

Na mesa “10 anos da lei Maria da Penha: o que comemorar?”, às 9h30, acontecerá um debate sobre a contribuição da lei no combate às violências de gênero, com participação da major Denice Santiago (Ronda Maria da Penha), Lindinalva de Paula (Rede de Mulheres Negras), Drª Marcia Lisboa (juíza da 1ª Vara de Violência Doméstica), Drª. Heleneci Sousa (Delegada titular da Deam Brotas) e Amanda Cunha (Marcha Mundial das Mulheres); às 13h começa o bate-papo com Naira Gomes, organizadora da Marcha do Empoderamento Crespo da Bahia; às 14h tranças com o grupo de estética negra família Mayala e às 15h encerramento com voz e violão de Deborah Luz.

Nas últimas edições, uma média de 180 mulheres foi atendida. Através das redes sociais, as advogadas já atenderam cerca de mil vítimas e dão continuidade, agregando ao coletivo advogadas voluntárias de outros estados. No momento são seis no estado de São Paulo, quatro no Rio de Janeiro, quatro em Pernambuco, quatro em Minas Gerais, uma na Paraíba (João Pessoa), entre outras espalhadas por Goiânia, Florianópolis, Brasília, Curitiba e Porto Alegre. A advogada Laina Crisóstomo pontua que o objetivo destas ações é mais do que fornecer assistência jurídica. “Nossa ideia é empoderar mais mulheres a partir do conhecimento, fortalecer o conceito de sonoridade entre nós e mostrar que não estamos sozinhas”.

O coletivo surgiu a partir da campanha #MaisAmorEntreNós, estimulada pela advogada e ativista feminista Laina Crisóstomo no Facebook. A ideia dela, a princípio, era atender uma mulher vítima de violência doméstica por mês de forma gratuita, mas a postagem teve repercussão inesperada e, após 6 mil curtidas e 5 mil compartilhamentos, a mensagem chegou às demais advogadas, que tiveram a ideia de formar um grupo de assessoria jurídica. Hoje a fanpage já conta com quase 70 mil seguidores.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios