Corrente do PT faz autocrítica e defende fortes mudanças no partido

Postado em out 19 2016 - 2:15pm por Jornal da Chapada
site

Os membros da EPS Nacional e militantes do PT: Valmir Assunção, Sheila Oliveira, João Daniel e Taíres Santos | FOTO: Divulgação |

A tendência interna do PT, Esquerda Popular Socialista (EPS), emitiu uma resolução, nesta terça-feira (18), com duras críticas à forma de condução do partido, além de apontar medidas para o rumo que a sigla deve tomar, convocando para uma unidade substantiva dos trabalhadores. Sem medir palavras, representantes da corrente elencaram uma série de erros e equívocos conceituais que contribuíram para o massacre ao qual a sigla está sendo submetida pela ‘elite burguesa do país’ e na crise que afeta a esquerda atualmente. O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), por exemplo, salienta que o PT deve ter a ousadia de reconhecer que também foi contaminado pelo sistema político atual, que é considerado pelos signatários como um sistema que privilegia o poder econômico e a corrupção.

“Foi um erro ter conciliado com essas posturas. E quem tinha controle sobre isso deve reconhecer sua responsabilidade. Precisamos resgatar a condição de polo aglutinador da esquerda que o PT já teve. A composição das direções deve corresponder às demandas do novo tempo e da cobrança da nossa base social”, pontua. No documento, os petistas ainda apontam para um conjunto de ações para estabelecer uma linha de oposição ao governo de Michel Temer (PMDB) e aos ataques midiáticos.

Para o deputado federal João Daniel (PT-SE), o partido sofre por erros que não foram da totalidade do coletivo, como recuar na auditoria cidadã da dívida pública, paralisar a reforma agrária, desmontar a reforma urbana a partir do esvaziamento do Ministério das Cidades, não levar a fundo a CPI do Banestado e não ter feito a democratização dos meios de comunicação – o que deu força para o conservadorismo atacar o PT. Daniel diz que a perseguição ao ex-presidente Lula “é parte do golpe, que para se legitimar precisa prender, cassar o registro do PT, se mesmo assim continuarmos a militar, tentarão tirar de circulação centenas de quadros, perseguir, desempregá-los e, em certos casos, até partir para a eliminação física”.

A dirigente nacional do PT, Sheila Oliveira, diz que “o partido precisa lutar pelas reformas política e eleitoral. O sistema atual é corruptor e desalojar um partido do poder nada representará no combate à corrupção, se a atual estrutura for mantida”. Em relação às disputas internas do partido, ela diz que o processo de eleições diretas das direções (PED) “em muitos casos chega a ser pior do que o processo eleitoral burguês tradicional. O PT precisa pensar em uma forma que não nos exponha às mesmas situações que temos enfrentado nos PEDs: ocorrências policiais, denúncias de fraudes, agressões e até compra de votos”.

Sobre a oposição ao governo Temer, a vice-presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE) e militante do PT e da EPS, Taíres Santos, diz que é preciso reforçar o que o governo nunca será: democrático. “É preciso frisar que a intolerância religiosa dessa gestão golpista, a violência contra as mulheres, o preconceito contra a população LGBT, os direitos dos trabalhadores, a educação e a saúde pública, o morticínio da juventude negra, tudo isso tende a recrudescer nesse ambiente de regressividade cultural e social que embasou o golpe contra a presidenta Dilma”, finaliza.

Leia aqui a resolução completa da EPS-PT…

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.