Chapada: Feriado prolongado pode ser a chance ideal de conhecer e desfrutar o Vale do Pati

pati

A trilha do Vale do Pati é uma das mais procuradas por aventureiros e turistas de todo o mundo na Chapada Diamantina | FOTO: Montagem do JC |

O feriado prolongado do dia 2 de novembro, dia de Finados, que será na próxima quinta-feira pode ser o momento ideal para aproveitar um dos locais mais interessantes a Chapada Diamantina. O Vale do Pati. A ideia é aproveitar o período para descansar e recarregar as energias em contato com a natureza. O trekking do Pati pede muitos dias para conhecer e explorar melhor o local situado no Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD), e o feriadão é ideal para isso.

O percurso é extenso, possui alto nível de dificuldade, mas tudo isso é compensado pelas paisagens de tirar o fôlego. Não é à toa que esta trilha é considerada uma das mais bonitas do Brasil. Existem três vias para se chegar a este pedaço do paraíso, por Guiné, distrito de Mucugê; pelo Vale do Capão, distrito de Palmeiras; e por Andaraí. Cada caminho tem um nível de dificuldade particular e uma extensão diferente.

O Vale do Pati é moldado na Serra do Sincorá pelos rios Calixto, Pati e Cachoeirão e tem altitudes que oscilam de 400 a 1.500 metros. Existem diversos pontos turísticos ao longo do vale, os mais conhecidos é o Mirante, o Cachoeirão (por cima e por baixo), o Castelo e as Cachoeiras do Calixto e dos Funis. No vale inteiro vivem 13 famílias, não mais que 50 pessoas, as acomodações são em casas de nativos. Os turistas podem se hospedar na Igrejinha, com seu João; em dona Raquel; em seu Eduardo; ou com seu Wilson.

Trilha do Cachoeirão por cima e por baixo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cachoeirão por baixo
Não foi por acaso que os nativos batizaram o lugar de Cachoeirão. Formado por um corredor de paredões, de 300 metros de altura, cercado de cachoeiras. Contando todas as quedas d´água, incluindo as duas mais volumosas, são oito cachoeiras caindo na mesma área. Parte delas só existem quando chove, chegando a formar até vinte quedas. Por força da altura, a água chega embaixo como uma enorme ducha. O pequeno poço que ampara a cachoeira tem forma de coração e águas avermelhadas e geladas.

Não é nada fácil chegar ao Cachoeirão por baixo, são 17 quilômetros por dentro da mata, e mais três quilômetros de muita pedra. Após entrar na parte mais difícil do caminho do Cachoeirão, a caminhada continua pelo leito do rio, enfrentando pedras bem escorregadias.

Imagens diferentes do Morro do Castelo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Morro do Castelo
A subida do Morro do Castelo é o trecho mais difícil no Vale do Pati, da parte de baixo até o ponto mais alto são três quilômetros, de muito esforço. O caminho é tão inclinado que é preciso tomar cuidado. Ao alcançar a porta de entrada do Castelo, é possível ver uma caverna de 800 metros de comprimento.

É uma das raras cavernas que a natureza construiu nas alturas. Após atravessar a caverna, chega-se ao topo do Castelo, em uma varanda a 1,5 mil metros do chão, cercada por muralhas de pedra magníficas erguidas pelo tempo e o vento e com uma vista além da imaginação. É de lá que se tem a mais ampla visão da grandiosidade do Pati.

Mais imagens do Pati

Este slideshow necessita de JavaScript.

Cachoeiras do Calixto e dos Funis
No caminho para o Calixto, que dá a volta no Morro do Castelo, é possível passar antes na cachoeira do Funil, a de mais fácil acesso do Vale. Com cerca de 30 metros de altura, a cachoeira tem um poção bem gelado para tomar banho. Sob a queda d’água, pedras submersas formam uma poltrona para sentir o impacto da água sobre a cabeça com todo conforto.

É possível explorar um pouco mais e ir saltando e escalando pedras, subindo o rio Pati montanha acima. Ao longo do rio diversas cachoeirinhas passam praticamente despercebidas. A abundância mantém no anonimato algumas das belezas do Pati.

Jornal da Chapada

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.