História de Escola Agrícola em cidade baiana vira filme no Revelando os Brasis

brasis

Geilane mobilizou a comunidade para as gravações, formando uma equipe local, com moradores do distrito de Itatiaia | FOTO: Reprodução/Bacia do Jacuípe |

“Sou uma pessoa sonhadora. Prova disso é que hoje eu estudo cinema na universidade”. É assim que Geilane de Oliveira se descreve. O sonho de fazer cinema da menina do semiárido baiano, nascida no distrito de Itatiaia, em São José do Jacuípe, já está virando realidade: selecionada na sexta edição do Revelando os Brasis, Geilane deu início no último sábado (18) às gravações do documentário ‘O rio que não seca’, que mostra um pouco das vivências da própria diretora quando era aluna da Escola Família Agrícola de Jaboticaba (EFAJ), e a importância da instituição, que trabalha com a pedagogia da alternância, para as famílias da região.

Geilane mobilizou a comunidade para as gravações, formando uma equipe local, com moradores do distrito de Itatiaia, estudantes de cinema da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) e pessoas vinculadas a EFAJ, que está trabalhando na produção do filme. Ela conta que a equipe e os alunos da escola estão ansiosos para participar. “Tenho ido com frequência na escola e o pessoal está bem empolgado”, conta.

Tendo frequentado a Escola Família Agrícola dos 11 aos 15 anos, entre 2005 e 2009, Geilane conta que a Escola teve grande influência na formação dela enquanto pessoa, ajudando a criar uma visão de mundo diferente do padrão da sua cidade. “A referência que eu tenho no meu distrito, de uma forma geral, as pessoas estudam porque os pais forçam a estudar para trabalhar, não refletem o porquê de estarem estudando e nem gostam de estudar. Hoje eu sou uma exceção nesse sentido, porque eu tive acesso a um caminho que não foi oferecido a eles, parte disso se deve ao fato de ter frequentado a Escola Família Agrícola”, reflete Geilane. Da Bahia também vem a história ‘Chica’, de Andrea Guanais, de Lençóis.

Entre 14 e 27 de agosto, os moradores de cidades brasileiras com até 20 mil habitantes selecionados pelo projeto participaram da Oficina de Formação Audiovisual do Revelando os Brasis, no Rio de Janeiro. Com aulas de roteiro, direção, fotografia, som, produção, entre outras, os participantes voltaram para suas cidades com os roteiros prontos e a tarefa de mobilizar a comunidade local para participar das gravações. Os filmes desta sexta edição serão gravados até dezembro.

Ano VI
Quinze histórias do interior brasileiro, vindas de pequenos lugares espalhados por todas as regiões do país, compõem a sexta edição do Revelando os Brasis. Contadas por moradores de cidades com até 20 mil habitantes, as histórias (verdadeiras e inventadas) foram selecionadas no último Concurso Nacional de Histórias do projeto.

Doze estados têm histórias escolhidas nesta nova edição: Bahia (Lençóis e São José do Jacuípe); Minas Gerais (Barroso e Urucuia); Espírito Santo (Laranja da Terra e Vargem Alta); Alagoas (Quebrangulo); Ceará (Icapuí); Mato Grosso (Nossa Senhora do Livramento); Pará (Bom Jesus do Tocantins); Paraíba (São Domingos do Cariri); Rio Grande do Sul (Antônio Prado); Santa Catarina (Guarujá do Sul);São Paulo (Águas de Lindóia) e Tocantins (Arraias). A lista dos selecionados está disponível no site www.revelandoosbrasis.com.br. Com informações de assessoria.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.