Supremo emite salvo-conduto para evitar prisão de Lula; ex-presidente espera análise do mérito

Postado em mar 23 2018 - 4:27pm por Jornal da Chapada
lula

O ex-presidente Lula afirmou que espera que o STF analise o mérito de seu processo e faça as correções necessárias | FOTO: Divulgação |

O Supremo Tribunal Federal (STF) emitiu o salvo-conduto para evitar a eventual prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva até o dia 4 de abril, quando a Corte voltará a julgar o pedido de habeas corpus feito pela defesa. A emissão do documento é uma formalidade cumprida para efetivar a liminar concedida na última quinta (22) ao ex-presidente. O documento foi assinado pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, e foi enviado ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, e ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre.

O texto do salvo-conduto diz: “A ministra Cármen Lúcia, presidente, nos termos da decisão proferida pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal no processo em epígrafe, concede salvo-conduto em favor de Luiz Inácio Lula da Silva, brasileiro, viúvo, até o julgamento do habeas corpus em epígrafe, nos termos da certidão de julgamento da sessão plenária realizada em 22 de março de 2018”. Na sessão de ontem, por maioria de votos, o plenário da Corte concedeu a liminar ao ex-presidente para impedir a prisão dele até o julgamento do mérito do habeas corpus preventivo.

O fato ocorreu porque os ministros julgaram uma preliminar da ação, fato que tomou todo o tempo da sessão. Essa decisão do Supremo não impede o julgamento do último recurso de Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), previsto para a próxima segunda-feira (26). É o último recurso de Lula contra a condenação a 12 anos e um mês de prisão na ação penal do triplex do Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato. Após a análise do último recurso, a prisão dele poderia ser determinada com base na decisão do STF que autorizou, em 2016, a detenção de condenados pela segunda instância da Justiça.

Lula comenta decisão
O ex-presidente Lula afirmou nesta sexta que espera que o STF analise o mérito de seu processo e faça as correções necessárias. “Tenho evitado falar do processo no STF, porque prefiro que os advogados falem. Estou pedindo a Deus que a Corte analise o mérito do processo, apenas isso. Espero que o STF faça a correção necessária”, disse, em entrevista à Rádio Super Condá, de Chapecó. Lula ressaltou que a História relatará a caçada jurídica contra ele.

Na avaliação do ex-presidente, existe um conluio para impedir sua candidatura, entre a Força Tarefa da Lava Jato, parte da Polícia Federal e o juiz de primeira instância Sérgio Moro. “Esse processo não era nem pra estar em Curitiba. Se o tal do triplex é no Guarujá. Pra me levar pra Curitiba inventaram uma offshore, que teria pego dinheiro da Petrobras. Em cinco dias ficou claro que a offshore era dona do apartamento triplex da Globo em Paraty. Quando isso aconteceu tiraram o nome da offshore da imprensa e ninguém mais tocou no assunto”, relembrou.

O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello fala durante o 15º Colóquio da Academia Brasileira de Direito do Trabalho na sede da OAB | FOTO: Tomaz Silva/Agência Brasil |

Marco Aurélio se diz crucificado
O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello disse nesta sexta (23) que “está sendo crucificado” como culpado pelo adiamento do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na noite de ontem (22). Marco Aurélio fez uma palestra no 15º Colóquio da Academia Brasileira do Trabalho, no Rio de Janeiro, e comentou as reações ao adiamento. “Hoje estou sendo crucificado. Estou sendo crucificado como culpado pelo adiamento do julgamento do habeas corpus do presidente Lula, porque sou um cumpridor de compromissos”.

O ministro contou que tinha um voo para o Rio de Janeiro às 19h40 e já havia feito check-in quando foi colocado em votação o pedido de adiamento da sessão, que foi aprovado por sete votos a quatro. Com a decisão, o julgamento foi adiado para 4 de abril, o que levou a defesa do ex-presidente a pedir uma liminar que impedisse a prisão de Lula até essa data, o que foi acolhido pelos ministros.

Votaram a favor da liminar Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Celso de Mello. Os ministros Edson Fachin (relator), Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e a presidente, Cármen Lúcia, se manifestaram contra. “Vi hoje nos jornais que estou sendo apontado como culpado, por honrar um compromisso que assumi com muita anterioridade, apontado como o causador do adiamento do processo contra o ex-presidente Lula, como se fosse para ontem o julgamento. O Supremo não tem apenas um processo, tem milhares de processos”, disse o ministro, que explicou que, caso Lula estivesse preso, o julgamento do habeas corpus teria urgência maior.

Marco Aurélio Mello afirmou que os ministros do Supremo trabalham “em uma época de patrulhamento sem igual”. Ele afirmou que há um patrulhamento feito pelos veículos de comunicação, “que é até certo ponto positivo”, e outro patrulhamento que leva em conta “a visão leiga, mediante as redes sociais”. O ministro do STF contou que há dois meses tem recebido cerca de mil mensagens em dois endereços de e-mail por dia, além de telefonemas. O magistrado disse que excluiu esses correios eletrônicos ontem e também pediu para que fossem alterados os telefones fixos de sua residência e do escritório.

“Nunca vi coisa igual. Nos dois endereços na internet, cerca de mil mensagens por dia. E mensagens diferentes, o que revelam que a origem não é a mesma”, disse ele, que afirmou que as mensagens não traziam ameaças. “O patrulhamento é muito grande. A sociedade tem que pensar que existem homens de bem. Não pode a sociedade presumir que todos sejam salafrários desde que provem o contrário”. Com informações da Agência Brasil e de assessoria.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.