CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundoTop
Trending

#Brasil: Bolsonaro discursa para ONU e diz que Brasil “é um país cristão e conservador, e a ‘cristofobia’ deve ser combatida”

O presidente afirmou também que floresta amazônica não pega fogo no interior, só nas bordas, porque é úmida.

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (22), em discurso na Assembleia das Nações Unidas (ONU), que o Brasil é “vítima” de uma campanha “brutal” de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal. O discurso foi apresentado por meio de um vídeo gravado. Por causa da pandemia de Covid-19, a reunião da ONU neste ano, baseada na sede da entidade em Nova York, foi virtual.

O presidente também disse que:
A floresta amazônica é úmida e só pega fogo nas bordas, os responsáveis pelas queimadas são o ‘índio’ e o ‘caboclo’. O óleo derramado no litoral brasileiro em 2019 é venezuelano, foi vendido sem controle e chegou à costa após derramamento ‘criminoso’. Orientações para as pessoas ficarem em casa na pandemia ‘quase’ levaram o país ao ‘caos social’. O Brasil é um país cristão e conservador, e a ‘cristofobia’ deve ser combatida.

Bolsonaro disse que o Brasil tem a “melhor legislação” sobre o meio ambiente em todo o mundo e que o país respeita as regras de preservação da natureza. Para ele, a riqueza da Amazônia motiva as críticas que o país sofre na área ambiental. O presidente afirmou que entidades brasileiras e “impatrióticas” se unem a instituições internacionais para prejudicar o país.

“Somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal. A Amazônia brasileira é sabidamente riquíssima. Isso explica o apoio de instituições internacionais a essa campanha escorada em interesses escusos que se unem a associações brasileiras, aproveitadoras e impatrióticas, com o objetivo de prejudicar o governo e o próprio Brasil”, afirmou Bolsonaro no vídeo.

A gestão ambiental do governo brasileiro é um dos principais motivos de críticas que o país recebe da comunidade internacional. Desde o ano passado, entidades, países e personalidades contestam as políticas do Brasil para o meio ambiente. Países europeus apontam os desmatamentos no país como entrave para confirmação do acordo comercial Mercosul-União Europeia.

O discurso de Bolsonaro foi proferido em um contexto de intensas queimadas que assolaram o Pantanal nas últimas semanas. O bioma teve em setembro o recorde histórico de focos de incêndio para o mês. Na Amazônia, principal alvo de preocupação da comunidade internacional, os alertas de desmatamento subiram 34% de agosto de 2019 a julho de 2020, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

No discurso, Bolsonaro disse que a floresta amazônica é úmida. Por isso, segundo ele, o fogo não se alastra pelo interior da mata. De acordo com o presidente, os incêndios ocorrem apenas nas bordas da Amazônia e são realizados pelo “índio” e pelo “caboclo”.

“Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas. Os focos criminosos são combatidos com rigor e determinação”, continuou o presidente.

Sobre o Pantanal, Bolsonaro afirmou que as causas das queimadas são as altas temperaturas da região e a concentração de matéria orgânica no solo. “O nosso Pantanal, com área maior que muitos países europeus, assim como a Califórnia, sofre dos mesmos problemas. As grandes queimadas são consequências inevitáveis da alta temperatura local, somada ao acúmulo de massa orgânica em decomposição”, argumentou o presidente.

Bolsonaro disse ainda que mantém uma postura de “tolerância zero com o crime ambiental”. Ele repetiu, como têm feito integrantes do governo, que o fato de o Brasil ser uma potência no agronegócio motiva informações distorcidas sobre o meio ambiente no país. “O Brasil desponta como o maior produtor mundial de alimentos. E, por isso, há tanto interesse em propagar desinformações sobre o nosso meio ambiente”, argumentou.

‘Cristofobia’
Bolsonaro fez um apelo à comunidade internacional pelo combate ao que ele chamou de “cristofobia”. Ele também pregou a defesa à liberdade religiosa. Bolsonaro não mencionou nenhuma outra religião, além do cristianismo.

“Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à ‘cristofobia’”, disse. O presidente deu a declaração em um momento em que falava de liberdade e ordem democrática.

Bolsonaro afirmou que o Brasil é um “país cristão e conservador e tem na família sua base”. Todo discurso pode ser conferido no Portal G1. Dados do G1.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios