CidadesCuriosidadesEconomiaMenu PrincipalTop
Trending

#Chapada: Comunidade quilombola de Gentio do Ouro cumpre mais uma etapa do processo de regularização fundiária

O georreferenciamento é uma etapa fundamental no processo de regularização fundiária, que resultará na emissão do Título de Reconhecimento de Domínio Quilombola.

A comunidade quilombola de Alagoinha, no município de Gentio do Ouro, Território de Identidade de Irecê, terá sua área regularizada. A Coordenação de Desenvolvimento Agrário da Bahia (CDA), unidade da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), iniciou na última segunda-feira (22) o georreferenciamento da área coletiva. O georreferenciamento é uma etapa fundamental no processo de regularização fundiária, que resultará na emissão do Título de Reconhecimento de Domínio Quilombola.

A coordenadora executiva da CDA/SDR, Camilla Batista, afirma que “com o georreferenciamento da área, estamos próximos de celebrar a mais importante conquista desta comunidade, que é o recebimento do título de reconhecimento de domínio. Com o documento, os quilombolas passarão a ter a efetiva posse da terra, respeitando a dimensão tradicional e ancestral da sua ocupação”.

Já o coordenador do Núcleo de Povos e Comunidades Tradicionais, da CDA/SDR, Roque Peixoto, explica que “após reunião de anuência, a comunidade permitiu à Coordenação de Desenvolvimento Agrário iniciar as medições. Com o georreferenciamento, teremos noção do tamanho da área, que, segundo os moradores da comunidade, passa dos 1200 hectares. A comunidade está em festa pois o legado histórico do povo quilombola está sendo preservado”.

Rosiléia Maria de Souza, presidente da Associação Quilombola de Alagoinha, destaca que o diálogo com o Estado foi esclarecedor para que toda a comunidade compreendesse os benefícios do título quilombola. “O diálogo com a Coordenação de Desenvolvimento Agrária foi de extrema importância para nossa comunidade quilombola, pois nos fez, mais uma vez, lutar e reconhecer nossos direitos e valores, fortalecer a nossa história, além de incentivar nossos jovens a alcançarem um futuro promissor. A valorizarem a nossa terra, o nosso povo”.

As comunidades quilombolas são grupos culturalmente diferenciados que ocupam ou reivindicam seus territórios tradicionais, de forma permanente ou temporária, tendo como referência sua ancestralidade e reconhecida a partir de seu pertencimento. As informações são de assessoria.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios