Chuva de meteoros pode ser vista no Brasil nesta madrugada

Postado em jul 28 2014 - 6:10pm por Jornal da Chapada
meteoro

As chuvas de meteoros são produzidas pela passagem da Terra por trilhas de detritos e poeira deixadas por objetos, em geral cometas, que cruzam a sua órbita em torno do Sol | FOTO: Reprodução |

A chuva de meteoros Delta Aquarídeas atinge seu auge na noite desta segunda (28) para terça-feira (29) e o fenômeno poderá ser visto em todo Brasil. Como o nome indica, ela parece ter origem, o chamado radiante, próxima da estrela delta da constelação de Aquário, batizada Skat, que no Rio de Janeiro surgirá no horizonte Leste por volta das 20h desta segunda e ficará visível durante toda a noite. Além de um céu limpo, com poucas ou sem nuvens, para melhor observar o fenômeno é aconselhável se afastar das luzes das cidades e procurar um lugar escuro, como um sítio, fazenda ou mesmo uma estrada pouco movimentada. A previsão é de que as Delta Aquarídeas exibam cerca de 20 “estrelas cadentes” por hora.

As chuvas de meteoros são produzidas pela passagem da Terra por trilhas de detritos e poeira deixadas por objetos, em geral cometas, que cruzam a sua órbita em torno do Sol. No caso das Delta Aquarídeas, porém, os astrônomos ainda não conseguiram identificar definitivamente qual seria este objeto. As principais suspeitas recaem sobre o cometa 96P Machholz. Descoberto em 1986 pelo astrônomo amador americano Donald Machholz, o 96P Machholz é um chamado cometa de curto período, com uma órbita que o leva pouco além de Júpiter em seu afélio, isto é, ponto de maior distância do Sol, e o traz para mais perto que Mercúrio na maior aproximação de nossa estrela, o periélio, a cada cinco anos aproximadamente.

O auge das Delta Aquarídeas se segue ao pico de outra chuva de meteoros menor, as Alfa Capricornídeas, registrado no último sábado e também ainda visível no Brasil. Embora exiba apenas cerca de cinco “estrelas cadentes” por hora em seu máximo, as Alfa Capricornídeas produzem alguns dos maiores e mais brilhantes meteoros de todas as principais chuvas vistas no planeta, que se acredita serem fruto da quebra de metade do cometa 169P/NEAT há cerca de 5 mil anos. A maior parte dos detritos deste evento, no entanto, só deverá cruzar a órbita da Terra daqui a 300 anos. Assim, os cientistas esperam que as Alfa Capricornídeas se tornem a principal e mais prolífica chuva de meteoros no planeta entre 2220 e 2420

O pico das Delta Aquarídeas também precede o auge de uma das mais famosas e aguardadas chuvas de meteoros do ano, as Perseidas. Melhor observada no Hemisfério Norte, que está no verão, e apenas nas latitudes mais ao Norte do Brasil, as Perseidas deverão exibir até cem “estrelas cadentes” por hora este ano no seu auge, previsto para a noite de 12 para 13 de agosto. Este ano, porém, a visão dos meteoros das Perseidas será atrapalhada por uma brilhante Lua cheia que também será a maior “superlua” de 2014. Este fenômeno é registrado quando a Lua atinge sua fase nova ou cheia próxima do perigeu, ponto em que está mais perto da Terra. Nestas ocasiões, sua circunferência parece 10% a 15% maior do que a vista no fenômeno inverso, a “microlua”, na qual a entrada da Lua nas fases cheia ou nova coincide com o apogeu, ponto em que está mais afastada do planeta. Do jornal O Globo.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.