Chapada: Ipac lança catálogo on-line sobre a história de Rio de Contas; confira aqui

Postado em nov 3 2016 - 10:52am por Jornal da Chapada
foto6

O acervo do Arquivo Público de Rio de Contas cobre desde a descoberta do ouro | FOTO: Sayonara Pinto |

Agora, pesquisadores e interessados na história do município de Rio de Contas, na Chapada Diamantina, podem contar com um catálogo de documentos dos séculos XVIII ao XX sobre essa região. O acervo do Arquivo Público de Rio de Contas cobre desde a descoberta do ouro, por volta de 1720, quando o Brasil ainda era colônia portuguesa, passando pelos primeiro e segundo Impérios e, depois, a República.

A publicação está no site do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac), no link http://goo.gl/Srvdo2. O órgão fez acompanhamento do projeto ‘Preservando a Memória Documental da Chapada Diamantina’ que foi vencedor dos Editais da Secretaria de Cultura, com recursos do Fundo de Cultura da Bahia. O projeto se deteve sobre o Catálogo Seletivo de Fontes desse arquivo, realizando organização e digitalização dos documentos.

foto6

As ações com o Arquivo da cidade surgiram da preocupação em preservar a riqueza histórica do município | FOTO: Sayonara Pinto |

História
A cidade de Rio de Contas é tombada como ‘Bem Cultural do Brasil’ pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1980. Suas praças e ruas ainda apresentam traçado antigo, com monumentos públicos e religiosos em pedra, casario em adobe (casas feitas com barro/terra) e igrejas barrocas. A área tombada reúne construções centenárias. Dentre 287 edificações, estão à Casa de Câmara e Cadeia (atual fórum), as igrejas Matrizes dos Santíssimos Sacramentos e de Senhora Santana, todas tombadas individualmente pelo Iphan desde 1958.

As ações com o Arquivo da cidade surgiram da preocupação de órgãos federais, estaduais e municipais de descobrir e preservar a riqueza histórica do município, como fruto de ação interinstitucional para o desenvolvimento da região. “O arquivo público de Rio das Contas tem em seu acervo registros desde 1724 até o século XX, onde encontramos documentos sobre a rota de escravos, procurações e capitanias”, informa a colaboradora do projeto Preservando a Memória, Sayonara Pinto.

Já a professora de História da Universidade do Estado da Bahia, Kátia Novais, destaca vantagens do catálogo. “Ao digitalizar esses documentos, reduzimos o manuseio dos manuscritos originais, possibilitando a preservação e a acessibilidade da informação para maior número de usuários”, diz. As informações são do Ipac.

Confira mais imagens do encontro sobre o Arquivo Público de Rio de Contas:

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.