Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal
Trending

“Deixa quem entende do mundo do crime falando”, frisa Rui Costa ao rebater Moro e Flávio Bolsonaro sobre morte de miliciano

Conhecido como "Capitão Adriano", o ex-policial militar homenageado por Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) em 2005, quando estava preso, acusado de homicídio, entrou para a PM em 1996.

O governador Rui Costa (PT) rebateu a fala do ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro (sem partido), Sérgio Moro, sobre a Polícia Militar da Bahia ter que se responsabilizar pela morte do miliciano em Esplanada em entrevista à imprensa nesta quinta-feira (13). Já o senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP) disse que os policiais estariam tentando “sumir com as evidências”. “Eu não entendo de miliciano, não entendo nada do mundo do crime. Deixa quem entende ficar falando”, disse Rui.

A declaração de Moro foi dada durante audiência na Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (12), após ser questionado pelo deputado federal Paulo Pimenta (PT-SP). “A pessoa foi assassinada. Assassinada não. Foi morta em confronto com a polícia. E veja, nem é a polícia do… Nem estou criticando a polícia lá. Não sei as circunstâncias. Isso vai ser apurado. Mas é a polícia de um estado administrado pelo Partido dos Trabalhadores”, completou. Por meio de um tweet, Flávio disse que obteve informações sobre a polícia baiana tentar acelerar a cremação do corpo de Adriano da Nóbrega, para sumir com as evidências.

Miliciano
Conhecido como “Capitão Adriano”, o ex-policial militar homenageado por Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) em 2005, quando estava preso, acusado de homicídio, entrou para a PM em 1996. Em 2000, concluiu o curso e ingressou no Bope. Há indícios de que comandou por anos o “Escritório do Crime”, milícia formada por matadores de aluguel na Zona Oeste do Rio. Membros do grupo são investigados por possível participação na morte da vereadora Marielle Franco, do Psol. A operação que resultou na morte de Adriano era feita pela polícia baiana em parceria com a do Rio de Janeiro. A matéria foi extraída do site BNews.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios