CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundoTop
Trending

#Brasil: País teve mais mortes por covid nas últimas 24 horas que os 10 países mais afetados pela pandemia somados

Com as mais de 4 mil mortes registradas somente nesta terça-feira (6), país foi o responsável por quase 40% de todos os novos óbitos por covid no mundo.

O Brasil lidera uma lista macabra. Trata-se do ranking global de mortes por covid-19 nas últimas 24 horas. Nesta terça-feira (6), o país bateu novo recorde e superou a marca de 4 mil óbitos causados pela doença em somente um dia.

O Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) registrou 4.195 mortes, enquanto o consórcio de veículos de imprensa que monitora a pandemia calculou 4.211 vidas perdidas.

Tanto se levarmos em consideração os dados do Conass quanto os dados do consórcio, o Brasil é o país que vem registrando o número de mortes diárias por covid mais alto do mundo e, em óbitos acumulados, por enquanto, só perde para os Estados Unidos, que soma 570.243 registros desde o início da pandemia. O Brasil acumula 337.364 óbitos.

Para se ter uma ideia da gravidade da situação, a soma das mortes nas últimas 24 horas dos 10 países mais afetados pela pandemia no mundo não chegam nem à marca de 4 mil óbitos em um dia superada pelo Brasil, que foi o responsável por 36% dos óbitos por covid nesta terça-feira em todo o globo.

Juntos, esses 10 países contabilizaram 3.550 novas mortes, segundo monitoramento Worldmeters, que compila dados oficiais da pandemia em todo o mundo. A redação é do site da Revista Fórum.

Confira abaixo a lista.
Mortes nas últimas 24 horas
Brasil: 4.211
EUA: 889
Índia: 631
França: 398
Rússia: 389
Reino Unido: 20
Itália: 421
Turquia: 211
Espanha: 128
Alemanha: 232
Colômbia: 231

Leia também

#Urgente: Brasil bate novo recorde de mortes diárias por covid com registro de 4.195 óbitos em apenas 24h

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios