CidadesCuriosidadesMenu PrincipalPolíticaTop
Trending

#Polêmica: Inquérito sobre interferência de Bolsonaro na PF está chegando ao fim e presidente pode ser afastado

Advogada criminalista explica que o interrogatório é o último ato a ser praticado antes de encerradas as investigações; Bolsonaro mudou estratégia e pediu depoimento presencial.

O presidente Jair Bolsonaro mudou de ideia e avisou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (6), que agora quer depor pessoalmente no inquérito que investiga suposta interferência política na Polícia Federal (PF).

A Corte analisaria, nesta quarta, uma solicitação do próprio Bolsonaro para depor por escrito. Porém, com a mudança de posicionamento do presidente, o caso não chegou a ser julgado.

Em outubro de 2020, o STF iniciou apreciação sobre o caso da PF. À época, o relator era o ministro Celso de Mello, que declarou não ser admissível a concessão de “privilégios” e “tratamento seletivo” e defendeu que Bolsonaro fosse depor presencialmente à polícia.

Alexandre de Moraes, substituto de Celso de Mello na relatoria, negou o pedido do presidente para não depor, justificando que caberia ao plenário definir como seria o interrogatório, se presencial ou por escrito. Com a nova decisão de Bolsonaro em depor pessoalmente, o julgamento sobre o formato do depoimento foi cancelado.

Investigação perto do fim
A investigação a respeito de denúncias do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, sobre interferência de Bolsonaro na PF corre desde abril de 2020 e foi prorrogada inúmeras vezes. A abertura de inquérito junto ao STF havia sido solicitada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Moro acusou o presidente de ter trocado o comando da PF para conseguir acesso a investigações do órgão de modo a proteger familiares e aliados políticos de investigações. A gota d’água foi a demissão do delegado Maurício Valeixo, que tinha sido escolhido por Moro para a direção-geral da instituição.

Segundo a advogada Jessica Boldi, o depoimento de Bolsonaro à Polícia Federal, que ainda será marcado, é um indicativo de que a investigação pode estar próxima a ser concluída.

“O interrogatório, quando não se há outra prova a ser produzida, é último ato a ser praticado antes de serem encerradas as investigações. Assim, o presidente, além de responder as perguntas que lhe forem feitas, também poderá defender-se sobre os fatos e acusações feitas pelo ex-ministro Sérgio Moro”, esclarece.

“Isso significa dizer que a autoridade pode estar prestes a concluir as investigações do inquérito para verificar se há indícios de autoria e prova da materialidade de que o presidente Jair Bolsonaro tenha interferido politicamente na Polícia Federal e cometido uma série de outros crimes comuns, como falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução da justiça e corrupção passiva privilegiada, todos indicados pela PGR”, prossegue a advogada.

Afastamento
De acordo com a criminalista, caso o inquérito do STF confirme que Bolsonaro, de fato, interferiu politicamente na Polícia Federal, a PGR poderá apresentar denúncia contra o mandatário, que deverá ser autorizada pela Câmara dos Deputados para o avanço das acusações.

“Se a Câmara autorizar, o STF irá decidir pelo recebimento ou não da denúncia. Assim, aceita a denúncia, o presidente será afastado por 180 dias e passará a responder por processo criminal, onde pode ser condenado pelos crimes eventualmente imputados”, atesta.

Ao todo, Jair Bolsonaro é alvo de quatro inquéritos no STF e de 8 ações que tramitam no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). As informações são da Revista Fórum.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios