CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal

Baianas protestam contra “Operação Acarajé” da PF em dia de certificação

foto6
Certificação das 60 baianas, no Espaço Crescer da Setre, teve protesto pela denominação de “Operação Acarajé”, em uma das fases da Operação “Lava-Jato” | FOTO: Divulgação/Reinaldo Alcântara/Setre |

Sessenta baianas de acarajé receberam na última quinta-feira (25), certificados do Curso de Gestão de Negócios e Manipulação Alimentos promovido pela Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), realizado em parceria com a Universidade Católica de Salvador (UCSal) e a Associação de Baianas de Acarajé, Mingau, Receptivo e Similares (Abam). A solenidade, que transcorreu em clima de festa e alegria, foi contaminada por um protesto das baianas com o fato de a Polícia Federal ter nominado de Acarajé uma das etapas da Operação Lava Jato que apura irregularidades na Petrobras.

“Não é justo o que fizeram com uma das mais seculares tradições da culinária baiana. Não ficamos nada satisfeitas com esta denominação e gostaríamos que o fato fosse avaliado por quem de direito”, disse, irritada, a baiana Rita Santos, presidente da Abam. Ela, inclusive, citou um fato já ocorrido com uma das baianas de acarajé de Salvador. “Um freguês, cheio de graça, chegou em um tabuleiro e disse: E aí baiana, você também está na Lava-Jato?”, deixando-a constrangida. O secretário estadual do Trabalho e Esporte, Álvaro Gomes, também se posicionou contrário à denominação e considerou um desrespeito a um importante símbolo da cultura baiana. “Estou do lado de vocês e me junto a este protesto”, sentenciou.

Leia também:
Deputado baiano cita carta de movimento negro e fala em prejuízos de vincular o acarajé com corrupção

foto67
O secretário estadual do Trabalho e Esporte, Álvaro Gomes, também evidenciou sua posição contrária | FOTO: Divulgação/Reinaldo Alcântara/Setre |

Regularização do ofício
Além da certificação, chancelada pela Universidade Católica, outra boa notícia foi o anúncio de que o Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), vai colocar, até junho próximo, o “ofício” das baianas de acarajé na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). Reitor Padre Maurício Ferreira valorizou a parceria com a Setre e confirmou que UCSal vai manter as portas abertas para novas iniciativas. Pediu desculpas públicas pelos “atrasos” da Igreja Católica com os povos de matriz africana, e reconheceu que a instituição que hoje dirige “está dando um passo olhando para o futuro”.

Relembrou tempos de infância como estudante pobre em Itacaranha, Subúrbio Ferroviário, quando, em grupo, “encostava no tabuleiro de uma baiana, às vezes sem nada no bolso, e ganhava por generosidade um acarajé”. Aproveitou para recomendar a todas, “que não abram mão dos seus adornos tradicionais para atender a qualquer exigência de mercado”. Outro anúncio que deixou a todas felizes, foi o reinício do curso, a partir da segunda quinzena de março, com duas novas turmas de 30 alunos cada. A presidente da Abam, Rita Santos, solicitou à Setre que mantenha este ritmo de ação, pois tem recebido solicitações das colegas que atuam, inclusive, no interior do Estado.

Durante a solenidade, a Setre ofereceu, gratuitamente, serviços de cadastramento de Microempreendedor Individual (MEI) pelo Sebrae; e acesso ao Programa de Microcrédito (CrediBahia).Também participou da solenidade o superintendente de Economia Solidária (Sesol) da Setre, Milton Barbosa entre outras autoridades.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas