CidadesCuriosidadesMenu PrincipalPolícia

#Polêmica: PSL diz que investigação da PF é seletiva e visa atingir partido do presidente Bolsonaro

A Polícia Federal prendeu em Brasília e em Minas Gerais um assessor especial e dois ex-assessores do ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) em razão de investigação sobre candidaturas de laranjas do PSL na eleição de 2018| FOTO: Divulgação |

Partido Jair Bolsonaro, o PSL divulgou nota na manhã desta quinta-feira (27) afirmando que as investigações da Polícia Federal sobre o caso das candidaturas laranjas têm o objetivo de atingir a sigla ao qual o presidente da República é filiado. “Todos os partidos políticos do Brasil tiveram candidatas cujo resultado nas urnas foi aquém da expectativa”, diz a nota, referindo-se parcialmente a um dos indícios clássicos de candidaturas de fachada, as que recebem altas somas de dinheiro público, mas têm votação irrisória.

“Só podemos classificar essa como uma investigação seletiva, com o objetivo de atingir o partido ao qual o presidente da República é filiado, embora ele não tenha nada a ver com isso. Todas as contas de campanha do PSL foram aprovadas pelo TSE [Tribunal Superior Eleitoral] e tudo foi feito dentro da legalidade”, acrescenta a nota. As contas de campanha de 2018 ainda não foram aprovadas em sua integralidade. Candidatas do PSL suspeitas de serem laranjas, por exemplo, tiveram essa análise suspensa até a conclusão das investigações.

O PSL é comandado nacionalmente pelo deputado federal Luciano Bivar, que também é alvo de investigações da PF e do Ministério Público sob a suspeita de ter replicado o esquema em Pernambuco, sua terra natal. Nesta quinta-feira (27), a Polícia Federal prendeu em Brasília e em Minas Gerais um assessor especial e dois ex-assessores do ministro Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) em razão de investigação sobre candidaturas de laranjas do PSL na eleição de 2018. A ação da PF é decorrência da apuração sobre caso revelado pela Folha, em fevereiro. Os mandados de prisão temporária e de busca e apreensão foram autorizados pela Justiça de Minas Gerais. Foram apreendidos computadores e telefones celulares.

Em visita à CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária), o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, saiu em defesa de Álvaro Antônio e disse que o Palácio do Planalto tem confiança nele. Para ele, as prisões não desgastam a imagem da gestão Bolsonaro. “Isso tudo são questões que não têm nada a ver com o governo”, disse. “O ministro continua fazendo o seu trabalho, servindo o país e já reiterou que não tem nenhum envolvimento nessa questão. O governo continua confiando no seu ministro”, disse.

A avaliação de integrantes da cúpula militar, no entanto, é a oposta. Para eles, Bolsonaro já deveria ter afastado o ministro desde o início da investigação da Polícia Federal, uma vez que sua permanência, nas palavras de assessores palacianos, se tornou “insustentável” e prolonga uma crise política. Eles dizem não acreditar, no entanto, que o presidente tomará alguma decisão, como um eventual afastamento do ministro, durante a sua viagem ao Japão, para participar de reunião do G20.

O caso das laranjas do PSL, partido de Bolsonaro, é alvo de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público em Minas e em Pernambuco e levou à queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido nacionalmente em 2018. Como mostraram as reportagens da Folha, na eleição do ano passado, Álvaro Antônio, reeleito sendo o deputado federal mais votado em Minas, patrocinou um esquema de candidaturas de fachada no estado que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara. ​

Após indicação do PSL de Minas, presidido à época pelo próprio Álvaro Antônio, o comando nacional do partido de Bolsonaro repassou R$ 279 mil a quatro candidatas. O valor representa o percentual mínimo exigido pela Justiça Eleitoral (30%) para destinação do fundo eleitoral a mulheres candidatas. Apesar de figurar entre os 20 candidatos do PSL no país que mais receberam dinheiro público, essas quatro mulheres tiveram desempenho insignificante.

Juntas, receberam pouco mais de 2.000 votos, em um indicativo de candidaturas de fachada, em que há simulação de alguns atos reais de campanha, mas não empenho efetivo na busca de votos. Dos R$ 279 mil repassados pelo PSL, ao menos R$ 85 mil foram parar oficialmente na conta de quatro empresas que são de assessores, parentes ou sócios de assessores do hoje ministro de Bolsonaro. A Polícia Federal vê elementos de participação de Álvaro Antônio na fraude e apreendeu documentos em endereços ligados ao PSL-MG. Segundo os investigadores, foram encontrados indícios concretos de que houve irregularidade na prestação de contas das campanhas. As informações são da Folha Press.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas