CidadesCuriosidadesEducaçãoMenu Principal

Chapada: Quarta edição da Feira Literária de Mucugê reafirma o poder da literatura e da poesia; confira fotos

A Fligê também contou com shows de cantoras como Ana Cañas, Larissa Luz e teve programação com o ator Jackson Costa e a atriz Tânia Toko, além de muita literatura, cinema, teatro, exposição e oficinas com foco na obra de Castro Alves | FOTO: Montagem do JC/Divulgação |

A quarta edição da Feira Literária de Mucugê (Fligê), na Chapada Diamantina, movimentou o cenário cultural da histórica cidade no último final de semana, de 15 a 18 de agosto. A Fligê homenageou o poeta Castro Alves e apresentou temas necessários e importantes em discussões sobre literatura, poesia, produções independentes e mercado editorial, mas também sobre os abismos sociais, o racismo, o fascismo, o empoderamento da mulher e do negro, a diversidade e a liberdade, em leituras que remetem ao passado, pensando no futuro.

Os secretários estaduais de Cultura e de Educação, Arany Santana e Jerônimo Rodrigues, assim como o presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, Nelson Leal, e o deputado estadual Rosemberg Pinto prestigiaram a programação da quarta edição. “A Fligê é um dos espaços de referência no campo da literatura baiana, onde o livro, a leitura, a escrita e a literatura se encontram com seus atores e autores para celebrar a vida e a liberdade”, afirmou Arany.

Entre os escritores convidados, estiveram Mailson Furtado (Prêmio Jabuti 2018), Itamar Vieira Junior (Prêmio Leya 2018), Saulo Dourado, Noemi Jaffe, Meimei Bastos, Franklin Carvalho e Luís Serguilha. Nas sessões de lançamentos, participaram com suas mais recentes publicações: Adroaldo Almeida (“A Última Flor da Terra”), Domingos Ailton (“Antônio Burokô”), Luiz Rogério Cosme (“Democracia Golpeada”), Dirlêi Bonfim (“Alquimia das Palavras”), entre outros.

Veja mais fotos da Fligê

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Eu fico muito impressionado com a qualidade da homenagem que está sendo feita pela Fligê porque observo que a programação é resultado de uma curadoria muito competente, sofisticada, capaz de mapear realmente tudo o que temos de significativo em torno do poeta. Ver que outras pessoas estão embarcando no pensamento renovador, que a Feira proporciona, causa um sentimento de coletividade”, disse o dramaturgo e pesquisador da obra de Castro Alves, Edvard Passos, conferencista da abertura.

A Fligê também contou com shows das cantoras Ana Cañas, Larissa Luz e do cantor Renato Braz. Participaram da programação o ator Jackson Costa e a atriz Tânia Toko. O encerramento foi com o concerto da Orquestra Conquista Sinfônica, com regência do maestro João Omar de Carvalho Mello. “Esse show realizado foi um dos shows mais bonitos do ano! O público baiano me emocionou diversas vezes cantando todas as músicas e manifestando carinho extremo”, agradeceu a cantora Ana Cañas.

“Chegamos ao final mostrando que a literatura e as outras expressões artísticas dialogam com perfeição. O que a gente pode perspectivar é que a Fligê alcançou a sua maioridade e, em termos de público, nós tivemos uma diversidade, mas uma participação maior dos estudantes e da juventude”, avalia a curadora da Feira, Ester Figueiredo. “Tivemos também o registro de um público maior de pessoas do exterior, da Espanha, de Portugal, da Itália e da França, ou seja, estamos em diálogo com a literatura mundial”.

Para o deputado federal Waldenor Pereira, que destinou emenda para a realização da Fligê juntamente com o ex-deputado Jean Wyllys, a Feira está consolidada. “Pessoas de 71 municípios registraram presença nesta edição da Fligê. Esta foi a edição com a maior participação de público. Nossa avaliação é, portanto, muito positiva, sobretudo nesse contexto e nesta conjuntura desafiadora que passa o nosso país. Através da literatura, da arte, da cultura, nós podemos debater e fazer frente à onda conservadora e reacionária que se abateu sobre o Brasil”, destacou.

Selo Fligê
Nesta edição, o Selo Fligê e o programa Alba Cultural lançaram o livro “Auto da Gamela”, de Esechias Araújo e Carlos Jehovah. A obra, original de 1981, ganhou segunda edição, revista e ampliada, incluindo versos censurados na época, e com ilustrações do artista plástico conquistense Silvio Jessé. Os exemplares foram distribuídos ao público da Fligê no estande da Alba. A Fligê é uma realização em parceria do Instituto Incluso, Coletivo Lavra e Governo do Estado, com patrocínio do governo federal. As informações são de assessoria.

Leia também

Chapada: Ana Cañas fica indignada com ‘ovada’ durante show na Fligê; veja publicação da cantora

Chapada: Ônibus com passageiros que voltavam da Fligê sofre ataque por bandidos na BR-242

Etiquetas
Mostrar mais

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Pular para a barra de ferramentas