Paulo Souto: “Atraso na construção de Fiol e Porto Sul causa prejuízo de R$ 5 bilhões”

souto

Paulo Souto com correligionários em Caetité | FOTO: Valter Pontes/Coperphoto |

“O atraso na construção da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e o Porto Sul que ainda não saiu do papel causam prejuízos à Bahia. Vamos trabalhar para que esses importantes projetos se tornem, enfim, realidade”, afirmou o candidato a governador, Paulo Souto, da coligação “Unidos pela Bahia”, em comício na cidade de Caetité, sua terra natal, na noite de sábado (13). Com entusiasmo e confiança nos olhos, os conterrâneos ouviram o filho da terra garantir veementemente que, junto com o vice Joaci Góes, o candidato a senador, Geddel Vieira Lima, e a bancada baiana de deputados federais, não vai poupar esforços para convencer o governo federal da importância e necessidade das obras da ferrovia e do porto serem concluídas.

“Não é só Caetité e região que ficam prejudicadas com a incapacidade do governo do PT de lutar pelos interesses baianos em Brasília. É toda a Bahia”, observou. De acordo com Paulo Souto, sem a Fiol e o Porto Sul, a produção de 20 milhões de toneladas de ferro por ano das jazidas de Caetitié fica sem destino e R$ 5 bilhões deixam de entrar na economia do estado, sem falar na dinamização de outros setores econômicos. “Foi por causa da ineficiência do governo do PT, nestes últimos oito anos, que a Bahia foi superada economicamente por Santa Catarina e até o Distrito Federal. O PIB baiano que era o sexto do Brasil caiu para oitavo do ranking, sendo ameaçado ainda por Goiás, Pernambuco e Ceará. Uma vergonha!”, assinalou o candidato oposicionista ao governo.

Se já não bastante o atestado de ineficiência na realização da Fiol e Porto Sul, Paulo Souto destacou também o problema do parque eólico baiano, que está pronto com capacidade para gerar 300 megawatts e só recentemente apenas uma linha de transmissão entrou em operação, deixando de aproveitar todo o potencial energético. “Se o governo do PT deixasse a propaganda de lado e trabalhasse de verdade, a Bahia poderia ter dado um salto na economia. Mas o fato foi que caímos no buraco, com o povo em todo o estado sofrendo com o caos na saúde, a falta de segurança e a péssima educação, uma das piores do País”, disse Souto.

O candidato a governador demonstrou constrangimento ao falar da lastimável situação da educação no governo do PT na terra do educador Anísio Teixeira. “Nos dois últimos anos, a avaliação do ensino baiano foi rebaixada pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), do Ministério da Educação. E eles ainda têm a coragem de contrariar os dados do IBGE quanto à redução do analfabetismo na Bahia. Botam na propaganda que foi mais de um milhão de alfabetizados, quando, na atual gestão petista, não chegou a 150 mil”.

Na questão da saúde, Paulo Souto se comprometeu com a população de Caetité, se eleito, a trabalhar em parceria com a prefeitura da cidade para criar as condições necessárias ao hospital municipal oferecer um atendimento digno e funcionar plenamente. A segurança pública, outra de suas prioridades, também terá uma atenção especial, com mais investimento em inteligência e tecnologia, além de aumento e melhor distribuição do contingente no estado.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.