Suíca: Trinta anos do MST representam a resistência na luta por reforma agrária

Postado em set 6 2017 - 9:43am por Jornal da Chapada
foto

O vereador de Salvador, Luiz Carlos Suíca (PT) | FOTO: Vitor Fernandes |

“Os 30 anos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra [MST] representam a resistência debaixo da lona preta e em acampamentos às margens de rodovias na luta pela reforma agrária. O movimento é referência de organização e de formação política de militantes de esquerda e é responsável por parte da produção do alimento que consumimos nas cidades”. Essa declaração é do vereador de Salvador, Luiz Carlos Suíca (PT), um dos participantes da vasta programação do MST no extremo sul da Bahia que começa nesta quinta-feira (7) e segue até domingo (10).

A programação inicia na quinta no município de Alcobaça, no Assentamento 40/45, que foi a primeira ocupação do movimento, e continua até domingo em Itamaraju com palestras, debates, feira agropecuária e manifestações artísticas. “Vamos acompanhar as análises políticas de figuras importantes no cenário nacional, como o deputado federal Valmir Assunção, que vai falar da história do MST na Bahia e no Nordeste. Além do ex-governador Wagner e de Stédile, com críticas pontuais ao atual cenário nacional”, sintetiza Suíca.

O evento do MST contará também com a secretária estadual de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reais, e dos reitores Naomar Monteiro (UFSB), João Salles (Ufba) e José Biter (Uneb). Os shows que animam a militância ficam por conta de Adelmário Coelho, Chico César, Gerri Cunha, Flávio José, Ilê Aiyê, Targino Gondim, Banda Levante e Wilson Aragão. O MST acredita que mais de mil pessoas devem participar das homenagens aos 30 anos do movimento, reunindo trabalhadores de 10 regiões da Bahia.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.