Mesmo com incêndios, visitação ao Parque Nacional da Chapada Diamantina não está interrompida

Postado em nov 23 2015 - 10:35pm por Jornal da Chapada
foto5

O PNCD é uma área de preservação ambiental e de turismo ecológico, que conta com 152 mil hectares | FOTO: Reprodução/Marcelino Souza Aguiar/Facebook/ |

Com os focos de incêndio que atingiram diferentes áreas da Chapada Diamantina, nas últimas semanas, muitos turistas que tinham se programado para visitar a região se questionam se mantém ou não a viagem. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que administra o Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD) informou em nota que a visitação ao parque não está interrompida.

O PNCD é uma área de preservação ambiental e de turismo ecológico, que conta com 152 mil hectares. De acordo com o chefe interino do parque, Cézar Gonçalves, aproximadamente 10 mil hectares já foram queimados, o que equivale a 6,5% da área do PNCD. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente (Sema) da Bahia, mais de 240 homens estão trabalhando para controlar o fogo, que já consumiu aproximadamente entre 15 e 30 mil hectares de toda a Chapada Diamantina, área que extrapola os limites do Parque Nacional.

Leia também:
Chapada: Brigadistas intensificam ação de rescaldo no Capão; linha de fogo preocupa e ameaça nascentes
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais registrou 240 focos de incêndio na Bahia
Chuva fraca e isolada pode amenizar situação de incêndios na Chapada Diamantina
Incêndios na Chapada Diamantina podem ter sido provocados de forma criminosa
Vídeos: Aeronave da FAB já lançou 252 mil litros de água para combater incêndios na Chapada Diamantina

Galeria de imagens do Portal Chapada

Este slideshow necessita de JavaScript.

Graças aos trabalhos conjuntos de bombeiros e de brigadistas institucionais e voluntários, importantes pontos turísticos da Chapada Diamantina foram conservados. Como o Parque Municipal Sempre Viva, em Mucugê, onde estão as cachoeiras da Piabinha e Tiburtino. As cachoeiras dos Funis e Andorinhas, do Córrego de Pedras, Poço Redondo, Moça Loira, Bate Palmas e Matinha também foram preservadas.

As trilhas atingidas pelo fogo, em Mucugê, foram as que levam para as cachoeiras das Três Barras e Cristais, onde o incêndio começou, e também a que dá acesso à cachoeira do Cardoso. Na região do Vale do Capão, em Palmeiras, e no município de Lençóis, uma das principais rotas do turismo ecológico da região, as trilhas do Pai Inácio-Águas Claras, Pai Inácio-Barro Branco e Conceição dos Gatos-Águas Claras estão em áreas de incêndios, e devem ser evitadas pelos turistas. Nessas duas cidades, entretanto, há outras localidades que não foram afetadas e que continuam com movimento turístico.

De acordo com a Associação dos Condutores de Visitantes do Vale do Capão (ACV-VC), no Capão não há nenhum atrativo que deve ser evitado. “O dano maior foi na parte mais importante do parque, na área intangível, berço das principais nascentes da região”, aponta a direção da associação.

Proibição de queimadas
Devido à série de incêndios florestais na região Oeste e na Chapada Diamantina, nos últimos meses, o Governo do Estado, numa medida de evitar a ocorrência dos incêndios, suspendeu a Declaração de Queima Controlada (DQC), em 2 de outubro, proibindo qualquer tipo de queimada no estado da Bahia.

Confira vídeo do fogo na Chapada Diamantina

Prevenção
É de vital importância que quem frequenta locais com mata, seja caçador ou visitante, tome as precauções para que não se inicie um incêndio que poderá ser desastroso para o meio ambiente, qualquer descuido humano responde pela queima de hectares de florestas. Um incêndio pode ser causado a partir de uma simples fagulha na mata, por isso, alguns cuidados, como não jogar pontas de cigarro acesas na mata e evitar fazer fogueiras são fundamentais.

Em situações de sobrevivência, quando realmente é necessário fazer fogueira, esteja atento para algumas orientações. Acenda a fogueira, isolando-a da mata ao redor. Limpe os galhos próximos, e crie uma proteção com pedras. Jamais acenda uma em local com muito capim seco em volta. Não coloque mais lenha que o necessário, pois um fogo muito forte pode atingir a vegetação próxima, e fagulhas voarão com o vento. Após o uso da fogueira, apague-a corretamente. Jamais abandone um local com uma fogueira acesa ou com as brasas ativas. Mesmo abafando com pedras e terra, as brasas ainda permanecerão acesas por algum tempo.

Jornal da Chapada

Galeria de imagens de combates aos incêndios na Chapada Diamantina:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Leia também:
Vale do Capão: Chamas seguem controladas e brigadistas revezam combate em diferentes áreas
Fogo na Chapada: Moradora do Vale do Capão afirma que fogo não está controlado
Fogo na Chapada: Bombeiros de Brasília chegam à região para auxiliar nos combate
Fogo na Chapada: Incêndios são controlados na região de Mucugê e brigadistas fazem monitoramento
ICMBio aponta avanços nos combates aos incêndios no Parque Nacional da Chapada Diamantina

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

19 Comentários Sinta-se livre para participar desta conversa.

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.