Resolução de encontro nacional da EPS pede resistência à ofensiva liberal no país

Postado em fev 27 2016 - 1:09pm por Jornal da Chapada
foto6

O deputado federal Valmir Assunção durante reunião da EPS, em Uruçuca | FOTO: Peter Shilton |

O Encontro Nacional da Direção da Esquerda Popular Socialista (EPS), tendência interna do PT, aconteceu no último final de semana em Uruçuca, no sul da Bahia, mas a resolução saiu nesta sexta-feira (26). Divulgada amplamente nas redes sociais, o documento traz opiniões dos dirigentes petistas defendendo a unidade dos partidos e movimentos de esquerda para resistirem à ofensiva liberal no Brasil. Na resolução, a EPS ainda defende o governo da presidente Dilma Rousseff e aponta para os ataques pessoais feitos ao ex-presidente Lula.

“O cenário político, econômico e social permanece tenso. O ativismo golpista de rua perde fôlego, mas no plano da mídia neoliberal, parlamento, judiciário e nas esferas da PF [Polícia Federal] e do MPF [Ministério Público Federal] o esforço para inviabilizar o governo Dilma, criminalizar o PT e, principalmente, destruir Lula, se amplia. Por mais que os traços ‘nacionais’ dessa crise sejam esses, sem a sua compreensão de raiz podemos nos perder em tentativas politicistas, circunstanciais e superficiais. E restringir nossas ações aos limites da governabilidade congressual”, diz trecho inicial da resolução da EPS.

Na reunião dos dias 19 e 20 de fevereiro, no interior da Bahia, a Comissão Executiva da Coordenação Nacional da EPS também apontou alternativas para resolver entraves e defendeu ainda a participação dos movimentos sociais nas decisões do atual governo federal. A corrente do partido atualizou a análise sobre a conjuntura e destacou a importância da militância petista neste momento de crise política.

“A saída para enfrentar a crise e os ataques dos golpistas é a unidade da esquerda, a luta social e o povo organizado. A nossa tarefa de construir a unidade da esquerda passa pela consolidação da Frente Brasil Popular e principalmente por nos orientar pela bússola dos trabalhadores. É assim que o partido precisa agir no governo, no Congresso, nas direções e na base. Nos pautaremos pelo que for do interesse dos trabalhadores e pelo compromisso programático partidário. A ordem é não recuar”, completa os dirigentes da EPS em texto.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.