Pular para a barra de ferramentas
CuriosidadesEditorialMenu Principal

Brasil pode crescer de 3% a 3,5% em 2018, diz Barbosa

Ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda Nelson Barbosa |FOTO: Agência Brasil|
Ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda Nelson Barbosa |FOTO: Agência Brasil|

O ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda Nelson Barbosa afirmou em entrevista exclusiva ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que o “Brasil tem amplas condições de crescer de 3% a 3,5% em 2018″. Para que isso ocorra, é importante um aumento substancial da produtividade total de fatores da economia e aumento da taxa de participação dos brasileiros no mercado de trabalho.

“E, para isso, são fundamentais as políticas sociais, pois darão mais condições às famílias, inclusive para o aumento da participação das mulheres”, disse. De acordo com Barbosa, para que a taxa de juros, que está em 11,25% ao ano, volte para um dígito é importante o ajuste da política fiscal, aumento da produtividade na economia e elevação da participação do crédito livre como proporção do PIB. Ele fez os comentários depois de participar em evento em Campinas realizado pelo IBE-FGV.

Barbosa afirmou ainda que o ajuste fiscal que o governo deverá adotar pode ter superávit primário crescente, mas destacou que não é possível saber qual será o nível que será registrado já em 2015. “Um dos desafios fiscais é recuperar a capacidade do governo de produzir resultados primários em bases recorrentes, num nível que estabilize a dívida pública”, comentou Barbosa.

Segundo ele, primeiro é preciso estabilizar o passivo mobiliário federal em proporção ao Produto Interno Bruto (PIB), que está subindo. Depois, é necessário voltar a baixar essa relação dívida/PIB, o que é um processo que levaria de dois a três anos, até porque, para que isso ocorra de forma duradoura, as decisões vão envolver medidas que necessitam da aprovação do Congresso Nacional. Barbosa destacou que eventuais medidas poderão ser submetidas ao parlamento em fevereiro e, devido à questão da anualidade e direitos adquiridos, se aprovadas só passariam a valer em 2016. Extraído do Estadão.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios