CidadesCuriosidadesMenu PrincipalSaúde

Autoexame e fotoproteção são essenciais para prevenção do câncer de pele

pele
De acordo com dados do INCA, a cada ano cerca de 180 mil novos casos de câncer de pele são registrados no país. Esse índice corresponde a mais de 30% de todos os tumores malignos no Brasil | FOTO: Reprodução |

Se por um lado, nos países tropicais, cerca de cinco minutos diários de exposição do corpo inteiro ao sol são fundamentais para produção de vitamina D pelo próprio organismo, o excesso de exposição aos raios solares não é recomendado, pois, além de queimaduras na pele, o efeito acumulativo dessa radiação é responsável pelo envelhecimento cutâneo precoce e é o principal fator de risco para o câncer de pele, o tipo de tumor de maior incidência no Brasil e no mundo.

“O efeito cumulativo da exposição prolongada ao sol sem proteção é o principal fator de risco para o câncer de pele, mas não é o único. Fatores ambientais, genéticos e imunológicos também podem influenciar no aparecimento da doença. É importante conscientizar a população para a necessidade de adotar hábitos essenciais para prevenção do câncer cutâneo”, esclarece a dermatologista Jussamara Brito, professora de dermatologia e chefe do ambulatório de câncer de pele da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

“É importante também que os pais estejam atentos aos cuidados com a pele das crianças e que conscientizem seus filhos sobre os danos que podem ser causados pelo excesso de exposição ao sol”, pondera a especialista. “Já sabemos que 50 a 80% da exposição solar ocorre nas duas primeiras décadas de vida e que a fotoproteção feita de forma adequada nessa fase da pode prevenir o câncer de pele não-melanoma”, acrescenta.

Além da importância de se fazer o autoexame da pele regularmente, também é fundamental evitar a exposição excessiva ao sol. “A fotoproteção não se restringe ao uso do protetor solar, que deve ser diário”, explica a médica. “Além do protetor solar, é preciso evitar o sol no horário das 10 às 16 horas, quando a radiação é mais intensa, usar roupas adequadas, chapéus, guarda-sol e óculos escuros”, orienta Jussamara Brito.

O protetor solar deve ser usado diariamente, mesmo em dias nublados e de chuva. Deve ter proteção solar (FPS) mínima de 15 e ampla proteção UVA e UVB, precisa ser aplicado trinta minutos antes do início da exposição e deve ser reaplicado a cada duas horas de exposição ou após cada mergulho.

Pessoas com mais de 40 anos, pele muito clara (que sempre fica vermelha e nunca bronzeia), com sardas, cabelos e olhos claros, ruivas, com histórico de câncer de pele na família e caso de queimaduras e, principalmente, pessoas que tomaram muito sol sem proteção ao longo da vida fazem parte do grupo de maior risco para o câncer de pele. A exposição à radiações e substâncias químicas e imunossupressão também contribuem para o aparecimento do câncer de pele.

O diagnóstico do câncer de pele é feito através do exame dermatológico completo da pele e, muitas vezes, com o suporte também da dermatoscopia, exame realizado com o dermatoscópio, aparelho que amplia a imagem podendo identificar lesões de risco na pele. A Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda a visita anual ao dermatologista para avaliação completa da pele e prevenção do câncer cutâneo. As informações são de assessoria.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios