Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal
Trending

#Brasil: Presidente Bolsonaro cita “água de coco na veia” na Segunda Guerra para defender cloroquina

"Tem médico que usa [a cloroquina], [que] está usando há quase dois meses no Brasil. A gente sabe que não está ainda comprovado cientificamente", afirmou o político.

Uma suposta história da Segunda Guerra Mundial foi a nova argumentação do presidente Jair Bolsonaro para defender o uso da hidroxicloroquina no combate à COVID-19 nesta quinta-feira, na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília. Ex-capitão do Exército, Bolsonaro contou uma história sobre uma suposta administração de água de coco na veia de soldados feridos durante o conflito bélico que durou entre 1939 e 1945.

“Eu contei uma história bacana da guerra no Pacífico. O soldado chegava sem sangue e não tinha transfusão, não tinha outro para doar. Então, o pessoal lá botou água de coco na veia e deu certo. Serviu como soro, imagina se fosse esperar uma comprovação científica, quantos não morreriam? Aqui a mesma coisa”, declarou Bolsonaro, citado pelo jornal O Estado de S. Paulo. Sem eficiência cientifica comprovada em pacientes do novo coronavírus, a cloroquina e a hidroxicloroquina vêm sendo citadas por Bolsonaro há algumas semanas – seguindo uma estratégia do presidente estadunidense Donald Trump – como uma resposta fundamental à pandemia.

Além de minimizar a necessidade de comprovação científica, o presidente destacou que haveria uma “guerra ideológica” por trás da polêmica em torno da substância, que apresenta até o momento registros tanto positivos quanto negativos – ela pode ser fatal em alguns casos, conforme disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. “Isso é uma guerra ideológica em cima disso, guerra de poder. Se o pessoal me ajudasse um pouquinho, não me atrapalhasse – não estou me refiro a A, B ou C -, o Brasil ia embora”, continuou Bolsonaro.

Mais cedo, o chefe de Estado brasileiro voltou a agradecer a Índia pelo envio de insumos necessários para a fabricação da cloroquina e da hidroxicloroquina no Brasil. A carga deve chegar até o fim de semana ao país. Nesta semana, o ministro da Saúde comentou que os primeiros resultados científicos em torno da substância defendida por Bolsonaro devem começar a ser conhecidos a partir do dia 20 de abril. As informações são dos sites Sputnik e Conversa Afiada.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios