Regulação da maconha: Uruguai zera mortes por tráficos depois de estabelecer comércio

maconha

No Uruguai, é assegurado o acesso legal à maconha por meio de autocultivo, com até seis pés por cada moradia | FOTO: Reprodução |

Desde que adotou a regulação do comércio de maconha, o Uruguai não registra nenhuma morte decorrente do tráfico do entorpecente. A informação foi transmitida pelo secretário nacional de drogas do país, Julio Heriberto Calzada, durante debate da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa no Senado, nesta segunda-feira (2). Segundo o ministro, as mortes ligadas ao uso e ao comércio da maconha chegaram a zero depois que foram adotadas regras para regulamentar o cultivo e a venda da droga.

Leia também:
Senado começa a debater proposta para regulamentar uso da maconha no Brasil

Calzada não descartou um aumento de usuários com a possível regulamentação no Brasil, mas acredita que a combinação com políticas públicas, em aspectos culturais e sociais, poderão modificar padrões de consumo e levar ao êxito na redução de usuários. No Uruguai, é assegurado o acesso legal à maconha por meio de autocultivo, com até seis pés por cada moradia; em clubes de cultivo, com 15 a 45 membros; ou pela aquisição a partir de um sistema de registro controlado pelo governo.

Calzada disse ainda que países que pretendem regulamentar a maconha devem ter em conta que as substancias – tabaco, maconha, heroína, cocaína – não são iguais e devem ser analisadas em suas particularidades. No Uruguai, segundo ele, as ações são baseadas em evidências científicas. Com informações da Agência Senado e do Bahia Notícias.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.