AssessoriaCidadesCuriosidadesMenu Principal

Manifestantes fazem protesto contra impeachment de Dilma em Salvador

reprod
Manifestantes prestaram apoio a Dilma Rousseff em palavras de ordem, músicas e em cartazes e faixas | FOTO: Reprodução/Facebook |

Após o impeachment de Dilma Rousseff e a posse de Michel Temer, um grupo de manifestantes tomou as ruas de Salvador, na noite da quarta-feira (31), protestando contra o impedimento da ex-presidenta. Em faixas e cartazes, os manifestantes disseram “Não” ao que chamaram de “golpe” e negaram se sentir representados por Michel Temer. Eles prestaram apoio a Dilma Rousseff em palavras de ordem, músicas e, também, em cartazes e faixas. “Eu luto desde a ditadura militar. Lutei contra a tortura, lutei por um governo democrático. Continuo lutando contra um golpe, um golpe civil”, disse, emocionada, a professora aposentada, Raimunda Viana, de 63 anos. A manifestação ocorreu, inicialmente, em frente a um shopping da cidade, local onde decidiram seguir em passeata pelas ruas da capital baiana. O organizador do ato, Alex Hercog, diz que pensou no ato nesta quarta.

Para ele, que é graduado em comunicação, a cassação de Dilma “teve apoio da mídia e de alguns veículos de comunicação”. “Não era possível que num dia histórico como esse, as pessoas acompanhassem de casa sem fazer nada. Então a ideia de provocar isso [o ato] nas redes sociais, era atrair essas pessoas que comungavam esse mesmo sentimento de que não é possível a gente ver um golpe de estado e ficar em casa”, disse o militante. “A gente sabe que não vai reverter nada com esse ato, mas, da mesma forma que a história vai marcar esse dia como um dia importante de golpe. É importante que, quem é contra isso, também marque presença e, pelo menos no futuro, a gente diga onde estava em 2016, defendendo a democracia”.

Acompanhados pela Polícia Militar da Bahia, que informou haver cerca de 200 pessoas participando da manifestação, os participantes seguiram pela Avenida Tancredo Neves, bloqueando todas as faixas, o que gerou congestionamento nas proximidades, nos bairros Caminho das Árvores e Pituba. A funcionária pública, Tainá Morais, disse ter ficado surpresa com a quantidade de gente no ato, mesmo com pouco tempo de convocação. Ela disse que não reconhece o atual presidente. “Foi um golpe, que foi desmascarado pela defesa [de Dilma] e esse golpe foi na gente. Dilma é a minha presidenta, sem dúvida, porque eu não reconheço Temer [como presidente], não reconheço”. O grupo se dispersou por volta das 21h, em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), no bairro do Costa Azul. Da Agência Brasil.

Etiquetas
Mostrar mais

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Pular para a barra de ferramentas