Chapada: Alternativas para enfrentar escassez de água no vale do Rio Utinga são debatidas em reunião

Postado em out 4 2018 - 3:41pm por Jornal da Chapada

A Sema destina R$ 600 mil para a instalação de poços, alguns já perfurados pela Cerb, que garantirão água para consumo humano, principalmente às populações rurais e comunidades tradicionais | FOTO: Divulgação/Sema |

O Governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Casa Civil, Defesa Civil do Estado da Bahia, Embasa e Companhia de Engenharia e Recursos Hídricos da Bahia (Cerb), participou, na última terça-feira (1º), de uma reunião com prefeitos e os moradores da região do Vale do Rio Utinga, no município de Andaraí, para discutir ações emergenciais frente a crise hídrica que assola a região. Dentre as medidas a serem adotadas para o enfrentamento da escassez de água atual na região, está o fechamento dos canais de derivação irregulares no rio Utinga e o abastecimento de água através de carro pipa para a comunidade das cidades de Lajedinho, Lençóis, Andaraí e Wagner.

A Sema também está destinando R$ 600 mil para a instalação de poços, alguns já perfurados pela Cerb, que garantirão água para consumo humano, principalmente às populações rurais e comunidades tradicionais. “O Governo está focado em promover uma pactuação com os diversos atores sociais e econômicos da bacia, para buscarmos soluções para a revitalização do rio Utinga e garantir a disponibilidade dos recursos hídricos para os municípios. A participação do Comitê de Bacia é fundamental na construção da pactuação dos diversos usos e usuários da água na região. Sem essa definição, por parte do Comitê, não poderemos avançar na construção participativa de um compromisso sobre o uso das águas”, comentou o secretário da Sema, Geraldo Reis.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Durante o debate, os moradores da região destacaram que a escassez está diretamente ligada aos grandes usos da água na nascente do Utinga, prejudicando mais de 2 mil famílias. Para Carmélia Pereira, moradora de Andaraí, a comunidade precisa se mobilizar, buscar parcerias e discutir com o poder público alternativas para falta de água. “Mas, como somos nós que vivemos essa realidade, é nosso direito propor soluções que irão realmente mudar as nossas vidas. Sempre dando prioridade a agricultura familiar, porque essas pessoas são as que mais sofrem com a escassez de água”.

De acordo com o Inema, desde 2017 é realizando um plano de ações que visa a revitalização da Bacia do Rio Utinga. Dentre as ações, está o cadastramento dos usuários de água nas Regiões de Planejamento e Gestão das Águas (RPGAs) do Paraguaçu e Recôncavo Norte, contratação de um Plano de ações estratégicas para a gestão de recursos hídricos e fiscalização para coibir o uso irregular de bombas para captação de água. Foram realizados, também, sobrevoo para identificação e posterior fechamento de barramentos e canais ilegais, doação de equipamentos e apoio técnico para a limpeza do rio, e implantação de duas plataformas de coletas de dados na calha do rio Utinga para monitoramento dos dados de vazão e pluviometria. As informações são da Sema.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

1 Comentário Sinta-se livre para participar desta conversa.

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.