CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundoNegócio
Trending

#Urgente: Caranguejos são encontrados mortos em manguezal do Rio Pojuca; cerca de 800 kg de óleo atingem a região

A ação de limpeza do local foi feita em conjunto entre voluntários e agentes da Defesa Civil durante o final de semana.

Considerado o berçário da vida marinha na região, o manguezal do Rio Pojuca, na região de Itacimirim, que fica na cidade de Camaçari, foi atingido por pelo menos 800 kg do óleo que tem se espalhado pelo litoral da região Nordeste e chegou às praias baianas na última quinta-feira (10). A ação de limpeza do local foi feita em conjunto entre voluntários e agentes da Defesa Civil durante o final de semana.

O coordenador geral da Defesa Civil de Camaçari, Ivanaldo Soares, contou que alguns ajudantes já estavam na região no sábado (12), mas foi no domingo (13) que ocorreu o mutirão de limpeza, com cerca de 20 voluntários. Diariamente, a Prefeitura de Camaçari monitora as áreas de risco no município. O engenheiro Arthur Sehbe foi o responsável pela convocação dos grupos de trabalho. Ele relatou que a situação era crítica no rio.

“A gente tirou muita coisa. Foram uns três big bags retirados do mangue. Tudo com o apoio da Defesa Civil”, afirmou. Para acompanhar a disseminação do óleo nas praias da Bahia, Arthur quer estabelecer um grupo de comunicação de Itacaré até Mangue Seco. A ideia é conectar pescadores, surfistas e moradores locais para informar sobre a chegada do óleo. Quem quiser integrar o grupo deve entar em contato com ele pelo isntagram @arthursehbe.

A preocupação com o avanço do óleo tem um motivo. De acordo com o diretor do Instituto de Biologia da Ufba, Francisco Kelmo, algumas espécies procuram o manguezal para se reproduzir, por isso ele é considerado uma espécie de berçário. Segundo o coordenador geral da Defesa Civil de Camaçari, alguns caranguejos já morreram devido ao óleo, que chega a tapar os buracos destes animais. Para retirar os resíduos, foram usadas pequenas ferramentas porque o óleo aderiu nas raízes da vegetação do mangue.

Vídeo divulgado

“A gente teve que cortar as raízes. Os voluntários também ajudaram muito a retirada”, disse. Um empecilho para a limpeza do local é a maré. Soares afirmou., ainda, que as equipes só conseguem trabalhar com a maré baixa, o que faz com que o trabalho sempre acabe por volta das 13h.

Para Soares, é necessário investir em ações de prevenção para que os resíduos não cheguem até o mangue. “Tem que se estudar a possibilidade de barreiras. Essa questão das barreiras já foi levantada pelo técnicos e dependerá muito da verba do governo federal, de quem é o problema”, ressaltou o coordenador da Defesa Civil de Camaçari.

A diretora geral do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Márcia Telles, apontou que o órgão vai fazer um protocolo para orientar os municípios sobre como fazer a limpeza dos mangues. “Os mangues são áreas muito mais sensíveis. As pessoas tem que ser orientadas para que elas não causem mais danos pisoteando e tentando arrancar o óleo da vegetação”, explicou.

Durante a assinatura do Decreto Estadual de Emergência, o governador em exercício, João Leão, negou a chegada do óleo no rio. De acordo com ele, apenas pequenas manchas chegaram no local. O Inema também afirmou que a mancha ainda não havia chegado no Rio Pojuca. Nesta quarta-feira (16), o Inema deve concluir uma avaliação dos estuários da Bahia. As informações são do site Correio 24h.

Leia também

#Bahia: Governo estadual assina decreto para apoio a cidades atingidas por manchas de óleo

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas