Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesMenu PrincipalMundo
Trending

#Mundo: Remessa de máscaras chinesas destinadas à França é comprada pelos EUA mais caro e em dinheiro vivo

A oferta de pagamento foi em cash e de três a quatro vezes mais caro que o preço original.

Oferta de pagamento em dinheiro vivo e de três a quatro vezes mais caro que o preço original. É desta forma que máscaras encomendadas pela França são adquiridas por americanos na pista de aeroportos chineses, momentos antes de embarcar a seu destino. O episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de proteção que vivem as grande potências. No desespero para lutar contra a epidemia, os Estados Unidos parecem não hesitar em adotar práticas agressivas.

Uma autoridade regional francesa afirmou na quarta-feira (1°) que a competição para obter máscaras fabricadas na China é tamanha que os americanos as compram diretamente nas pistas dos aeroportos chineses antes de iniciarem sua viagem à França. “Na pista, os americanos oferecem dinheiro e pagam três ou quatro vezes o preço dos pedidos que fizemos, temos que lutar”, disse Jean Rottner, presidente da região francesa Grand Est, no leste do país, uma das mais afetadas pelo novo coronavírus, em declaração à rádio francesa RTL.

Segundo ele, os aviões partem em seguida rumo aos Estados Unidos e não à França. “É complicado, lutamos 24 horas por dia” para obter as máscaras, disse Rottner, explicando que criou uma célula especial em sua região para tratar a questão. Segundo ele, uma remessa do material adquirido pelos americanos seria distribuída a profissionais que trabalham em casas de repouso para idosos da região.

Na terça-feira (31), Renaud Muselier, presidente da região francesa Provence-Alpes-Côte d’Azur, no sudeste, também reclamou das práticas americanas e do desvio das mercadorias com a oferta de um valor mais alto. “A maior dificuldade é a entrega. Diante deste problema, estamos aumentando a segurança das remessas para que elas não sejam comprada por outros”, reiterou.

Mudança na política de prevenção
Depois de meses de recomendação aos cidadãos americanos para evitarem o uso de máscaras cirúrgicas, os Estados Unidos estão mudando de estratégia, tomando como exemplo os vários países asiáticos que conseguiram enfrentar o novo coronavírus com práticas simples de prevenção. Segundo pesquisas científicas, os assintomáticos são responsáveis por dois terços das contaminações. Washington começa a se dar conta que a barreira da máscara poderia ajudar a reduzir a propagação da Covid-19.

A ideia do uso generalizado das máscaras é apoiada pelo presidente americano, Donald Trump, que aconselhou as pessoas a criarem suas próprias máscaras improvisadas, caso não consigam obter o material médico. “Se puderem, usem um cachecol. Muitas pessoas tem cachecóis e isso seria algo muito bom”, afirmou em seu pronunciamento de terça-feira (31) na Casa Branca.

“A ideia de um uso muito mais amplo de máscaras em toda a comunidade fora do círculo dos profissionais da saúde está em discussão”, disse à CNN, Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos e membro do grupo responsável pela crise do novo coronavírus no país. Segundo ele, os profissionais da saúde são prioritários no recebimento de máscaras. “Mas quando tivermos uma situação em que tenhamos máscaras suficientes, acredito que essa recomendação poderá ser ampliada”, ressaltou. As informações são do G1.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios