Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal
Trending

Valmir defende taxar grandes fortunas para financiar fundo de promoção da igualdade racial

"O Brasil não será um país plenamente democrático se não vencermos as desigualdades sociais – que, de verdade, são raciais”, salienta o deputado federal.

Líder negro e herói da pátria brasileira, Zumbi dos Palmares foi lembrado pelo deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) neste 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, ao pedir a taxação das grandes fortunas para financiar fundo de promoção da igualdade racial no Brasil. Assunção diz que o Estado não pode fechar os olhos para a realidade atual com o racismo ainda como elemento estrutural da violência e para as situações que desafiam a própria democracia. Ele defende mais políticas afirmativas como fundamentais no processo de mudança e diz que o povo negro está na linha de frente da crise sanitária. “É preciso reafirmar a luta antirracista em todos os espaços. O Brasil não será um país plenamente democrático se não vencermos as desigualdades sociais – que, de verdade, são raciais”.

Para o deputado federal é preciso garantir que o orçamento da União contemple o financiamento das políticas necessárias. “Sou autor do projeto de lei complementar 11/2015, que trata da taxação das grandes fortunas. Há um debate sobre esse tipo de tributação, que atinge a quem acumula bilhões de reais. Defendo que esta proposta financie o Fundo de Promoção da Igualdade Racial, já previsto no Estatuto da Igualdade Racial, promulgado ainda em 2010 pelo presidente Lula”, salienta Valmir. O deputado federal explica que é o povo negro que morre nos morros e favelas, atingido “por balas que possuem endereço de cor”. Assunção frisa que os negros “estão amontoados em prisões, em um sistema carcerário que tira de circulação e elimina a população negra, cujo acesso à Justiça é precarizado”.

“Nós que encontramos barreiras estruturais para se ter acesso à educação e ao emprego. Somos nós que estamos enfrentando a pandemia da covid-19 de peito aberto, por falta de saneamento básico e políticas de acesso à saúde”, descreve. Para o petista, o ano de 2020 foi marcado pelo lema ‘Vidas Negras Importam’, que influenciou derrotas do conservadorismo de extrema direita no mundo. “Não podemos esquecer que essa luta também é fruto de lutas importantes, como as que geraram a criação do Estatuto da Igualdade Racial no Brasil e, principalmente, da versão do documento aprovada na Bahia, meu estado de origem. Ou mesmo a realização da Marcha das Mulheres Negras, realizada em Brasília há cinco anos”.

Valmir ainda salienta que é o povo negro o mais atingido pelo desemprego e a precarização dos direitos fundamentais. E ele aponta que a igualdade racial é política prioritária para a superação destas mazelas. “Não adianta somente a boa vontade. Esta política precisa ser financiada e priorizada pelo Estado”, completa. O baiano diz que o próprio Estatuto já prevê o Fundo de Promoção da Igualdade Racial, que servirá para promover, por exemplo, a igualdade de oportunidades em educação e emprego, o financiamento de pesquisas, saúde e emprego, o incentivo à criação de programas e veículos de comunicação destinados à divulgação de matérias relacionadas aos interesses da comunidade afro-brasileira, além do apoio a iniciativas em defesa da cultura, memória e tradições africanas e afro-brasileiras. As informações são de assessoria.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios