Após revolta em Amargosa, efetivo de policiais militares triplica no local

Postado em jul 18 2014 - 7:33am por Jornal da Chapada
outra

De acordo com a assessoria da Secretaria de Segurança Pública, o reforço só retornará aos seus postos originais depois que a ordem for restaurada na região | FOTO: Reprodução/A Tarde |

O efetivo de policiais militares saiu de 43 para 143 homens no município de Amargosa, depois da revolta que ocorreu na noite da última quarta-feira (16) na cidade por causa da morte de um bebê durante uma ação policial. Na ocasião, 30 motos, 18 carros e um ônibus foram incendiados, a delegacia foi invadida e presos foram foram libertados por um grupo que promoveu o caos na cidade. De acordo com a assessoria da Secretaria de Segurança Pública, o reforço só retornará aos seus postos originais depois que a ordem for restaurada na região, e acrescenta que, após a situação se normalizar, 16 novos policiais militares e seis policiais civis incrementarão o efetivo permanente da cidade.

Na quinta-feira (17), o policial civil suspeito de atirar e matar a criança prestou depoimento na Corregedoria da Polícia Civil, em Salvador. O policial militar que estava com ele durante a ação também foi ouvido pela delegada Andreia Cardoso. Ele nega ter atirado na criança e a Polícia Civil informa que só a perícia vai poder constatar a origem do disparo. O suspeito informou que perseguia um homicida foragido da Justiça. Ele relatou que, antes, recebeu um telefonema que denunciava a presença do traficante “Bolacha” no bairro Catiara. Segundo a Polícia Civil, a denúncia recebida informava que o traficante estava desmontando uma motocicleta furtada do Fórum da cidade. Ao se dirigir ao local, a equipe policial teria visto o traficante, de prenome Ricardo, acompanhado de dois homens. O policial informou que ele escondia uma arma sob a camisa e reagiu à abordagem atirando.

O policial afirmou que atirou duas vezes em direção ao suspeito em via pública, negando ter disparado dentro da casa ou no quintal. Afirmou que o traficante entrou na casa e que uma mulher já saía de um dos cômodos com uma criança ferida nas mãos. O policial alega ainda que socorreu a criança. A versão é contrária aos relatos dos familiares e dos moradores, que negaram ter tido troca de tiro, apontando a ocorrência de apenas três disparos. O pai da criança, Luis Carlos Silva, de 22 anos, disse que uma pessoa entrou na casa e um padeiro disse que essa pessoa era ele. Familiares confirmaram que os policiais prestaram socorro, mas depois de insistência. “Eles só deram socorro e levaram minha filha para o hospital porque a população chegou em cima”, disse o pai.

amargosa

O pai da criança, Luis Carlos Silva, de 22 anos, disse que uma pessoa entrou na casa e um padeiro disse que essa pessoa era ele | FOTO: Reprodução/G1 |

A assessoria da Polícia Civil informa que o relato do investigador vai ser apurado e que só a perícia vai confirmar a origem do disparo que matou a criança. O enterro aconteceu durante a tarde e foi acompanhado por grande número de pessoas. Segundo a polícia, após os ataques realizados na cidade, a delegacia local corre risco de desabar. De 14 presos que fugiram, dois já haviam sido recapturados e três se entregaram nesta quinta-feira.

O secretário da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), Maurício Barbosa, se reuniu com diversas autoridades na tarde desta quinta-feira. Entre elas, a prefeita Karina Silva. “A verdade vai ter que aparecer. A verdade que os policiais estão dizendo ou a verdade que as pessoas que testemunharam o fato venham a dizer. Tudo leva a crer que, de fato, o que houve, se não foi um acidente, foi imprudência, uma imperícia. Houve o dolo de matar a criança, houve a vontade explícita? Nós temos que apurar isso tudo para que uma injustiça não leve a uma outra”, relatou o secretário. Do Portal G1.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.