Mistério resolvido: Crateras na Sibéria surgiram por causa de gás

Postado em ago 2 2014 - 5:02pm por Jornal da Chapada
sibéria

Nova cratera tem cerca de 15 metros de diâmetro e formato de funil | FOTO: Marya Zulinova/Assessoria de imprensa do governo da região de Yamal/Nenets |

Nem extraterrestres, nem queda de meteorito. O motivo para a existência das misteriosas crateras na Sibéria é a alta concentração de gás metano que fez com que o solo descongelasse aceleradamente. Enquanto o ar normalmente possui apenas 0.000179% de metano, a região próxima dos buracos possui a concentração de 9,6% do gás, segundo artigo na revista Nature. Pesquisadores suspeitam que o aumento da temperatura no verão contribuiu para o fenômeno. Com o solo descongelado, o gás ficou preso em uma espécie de bolsões subterrâneos. Por causa da pressão criada internamente, aconteceram erupções que deram origem aos buracos.

O mistério sobre o surgimento dos buracos começou na metade do mês de julho quando uma reportagem do “The Siberian Times” relatou a descoberta de dois novos buracos na região, sendo um na Península de Yamal — conhecida pelos locais como “o fim do mundo” e onde uma outra cratera já tinha sido avistada — e outro na Península Taymyr. A primeira cratera descoberta tem cerca de 80 metros de diâmetro, pouco menor que um campo de futebol, e 60 metros de profundidade. As mais recentes são menores, mas apresentam características semelhantes, como a presença montes de terras nas laterais, que sinalizam algum tipo de movimento violento de dentro para fora.

A terceira cratera fica na Península Taymyr, à leste da Yamal. Ela foi descoberta acidentalmente por pastores locais, moradores do vilarejo de Nosok. O buraco tem o formato perfeito de um cone, com cerca de quatro metros de diâmetro e profundidade entre 60 e cem metros. Extraído do jornal O Globo.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.