AssessoriaCidadesCulturaCuriosidadesEconomiaMenu Principal

Trekking pelo Vale do Pati é um dos mais procurados na Chapada Diamantina; confira aqui

foto12
O Pati fica escondido no meio do Parque Nacional da Chapada Diamantina, entre os municípios de Andaraí e Mucugê | FOTO: Reprodução/Fernanda Dutra |

Na primeira matéria da série do Jornal da Chapada, sobre os roteiros de caminhadas, o destaque é o Vale do Pati, considerado um dos trekkings mais bonitos do Brasil. A maioria dos turistas que já fez o percurso afirma que é um dos melhores roteiros da Chapada Diamantina. O que torna o trekking do Vale do Pati uma experiência única é passar quase uma semana em um local isolado, onde os automóveis não chegam e não existe sinal de celular ou internet. Além de poder se hospedar e fazer as refeições na casa de nativos. Quem faz essa trilha diz que, além de ser deslumbrante, ela proporciona momentos de reflexão e autoconhecimento.

“A simplicidade da vida dos moradores do Vale do Pati me fez refletir sobre o significado da vida. Estar diante da grandeza e beleza das paisagens fez com que eu me sentisse pequena”, comentou a turista Laura Côrtes. Sinta essa emoção e contemple as paisagens mais bonitas da Chapada.

Leia também:
Mucugê, Igatu e Andaraí são mais opções de trekkings na Chapada Diamantina; conheça roteiros
Nova série revela trilhas e aventuras em diferentes regiões da Chapada Diamantina

foto5
O Morro do Castelo está no roteiro da trilha do Vale | FOTO: Reprodução/Na Trilha |

O Pati fica escondido no meio do Parque Nacional da Chapada Diamantina, entre os municípios de Andaraí, Mucugê e Palmeiras, e possui três vias de acesso para começo e término da travessia: Vale do Capão, Guiné e Andaraí. A trilha clássica e o visual mais bonito é uma das três que saem do Capão. A trilha mais curta, porém menos impressionante, leva o Vale do Pati à Guiné. No Vale, ainda tem um caminho usado antigamente pelos mais de 2 mil habitantes que existiam no Pati e que leva à Andaraí pela Ladeira do Império. Também existem caminhos que levam à Mucugê e Igatu, mas são bem pouco exploradas.

O trekking no Vale do Pati se caracteriza por caminhadas em extensas áreas planas, porém com alguns momentos de subidas e descidas íngremes e passagens por leitos de rios. A cada instante o trilheiro se depara com morros deslumbrantes e enormes, rios magníficos, cachoeiras exuberantes que fazem compreender e admirar a magnitude da natureza local.

cachoeirão
São mais de 12 quedas no Cachoeirão, um dos locais mais fantásticos do percurso | FOTO: Arquivo/Jornal da Chapada |

Essa caminhada no Vale do Pati pode ser feita de 2 a 8 dias, existem diversos percursos, com intensidades variadas. E os atrativos como o Gerais do Vieira, Rampa do “Quebra-bunda”, Gerais do Rio Preto, Morro Manoel Vitório, Mirante da Igrejinha, Morro do Castelo, Cachoeira dos Funis, Cachoeirão (por cima e por baixo), Cachoeira do Calixto, Ladeira do Império, Poção (ou Poço da Árvore) e Mata do Calixto, serão visitados conforme a logística do passeio.

Segue uma, das várias possibilidades de trekking no Vale do Pati:

Vale do Capão/Guiné/Vale do Pati/Andaraí
1º dia – De carro dá pra ir até a base da trilha que leva à “Cachoeira da Fumaça” com seus impressionantes 380m de queda livre, a maior cachoeira do Brasil. Depois da caminhada até a cachoeira, retorna para pegar o carro e seguir por terra até o povoado do Guiné, em Mucugê. Lá será a primeira e única pernoite em pousada.

2º dia – Caminhando para o Vale do Pati pela Serra do Beco, com vista para o Gerais do Vieira, passando pelo Gerais do Rio Preto e pelo Mirante do Vale, de onde pode ser avistar a “Ruinha”. Conhece o antigo centro comunitário, a Igrejinha, e pode visitar a cachoeira da Altina e Funis. A opção de pernoite pode ser na própria Igrejinha, Dona Raquel, Sr. Wilson, ou acampar em locais alternativos.

funis
Já no Vale, é possível desfrutar do Rio Funis, com diversas cachoeiras | FOTO: Jornal da Chapada |

3º dia – Dia de Rei, dedicado ao morro do Castelo, onde se escala e caminha até o alto do Morro, que é possível contemplar o visual. Travessia da gruta que tem formação de quartzito, que leva até o Vale do Calixto para contemplar a melhor vista panorâmica da Chapada. Retorno para pernoite.

4º dia – Saída pela trilha do arrodeio, passando pela Toca do Gavião até o Cachoeirão por cima vista privilegiada. Seguir transpondo vários cânion e vales, descida acentuada por entre as árvores, chegando à prefeitura, na casa de Jailson para pernoitar.

5º dia – Uma das mais procuradas opções de trekking dentro do Pati é a cachoeira do Calixto. Localizada a cerca de duas horas da prefeitura, o roteiro oferece além das lindas quedas d’água, um percurso que corta uma densa mata, e ainda belos visuais do vale. Segue-se para pernoitar na casa de Sr. Jóia.

foto344
Visual de um dos mirantes do Vale do Cachoeirão | FOTO: Jornal da Chapada |

6º dia – Dia inteiro dedicado ao Cachoeirão por baixo. Caminhada pelas pedras gigantes do leito do rio e, depois de muito esforço e equilíbrio, chegada ao fim do vale para contemplar suas três quedas perenes, tendo a maior delas uma altura de 300m. Banhos revigorantes, retorno passando pela casa de Sr. Eduardo com pernoite na casa de moradores.

7° dia – Última etapa do trekking pelo Vale do Pati é subir o Morro do Império, ou seguir pela Rampa do Caim, que pode seguir ainda para Iguatu. A chegada em Andaraí, com opção de ir de carro até o Poço Azul, em Nova Redenção, no Poço Encantado, em Itaetê, ou em balneários de Andaraí.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Jornal da Chapada

Etiquetas
Mostrar mais

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

13 Comentários

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Pular para a barra de ferramentas