Chapada: Aterro em Jacobina é interditado pela SRTE; trabalhadores são flagrados sem equipamento de proteção

Postado em maio 14 2019 - 9:57pm por Jornal da Chapada

O equipamento pertence à empresa 2D e foi licenciado pela prefeitura da cidade; inquérito civil é instaurado para que a empresa esclareça os pontos de construção e funcionamento do aterro | FOTO: Montagem do JC/Pablo Almeida |

Como parte da atuação da 44ª FPI Bahia, na região centro-norte do estado, a Superintendência do Trabalho e Emprego (SRTE) interditou, nesta terça-feira (14), um aterro sanitário privado no município de Jacobina. O equipamento pertence à empresa 2D e foi licenciado pela prefeitura da cidade. A auditora do Trabalho, Edísia Barros, identificou problemas na obra, como uma bancada de escavação com cerca de cinco metros de altura, onde as pessoas circulavam livremente, sem sinalização – cones e fita amarela e preta – para evitar possíveis acidentes.

Os trabalhadores foram flagrados sem equipamento de proteção suficientes, como luvas, máscaras e capacete. A delegada interditou ainda, uma retroescavadeira, um trator e dois caminhões que não possuíam sinalizador obrigatório de movimentação. O embargo partiu de uma reclamação dos moradores do povoado do Paraíso, onde está localizado o aterro sanitário. Eles solicitaram ao MP-BA uma análise da obra. A comunidade alega que a empresa 2D deu início à construção do equipamento sem ouvir a população, que produz, no local, mel orgânico, farinha de tapioca, licuri, mamona e leite.

O promotor de Meio Ambiente, Pablo Almeida, instaurou um inquérito civil contra a 2D, para que a mesma possa esclarecer os pontos de construção e funcionamento do aterro. “Caso a empresa seja reativada em breve, conforme as leis de trabalho, mas não apresente material suficiente para provar a legalidade do equipamento, vamos dar entrada em uma ação civil pública para anulação do ato administrativo e interdição da mesma, novamente”, esclarece Pablo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Atuação da FPI
A atuação da FPI na região centro-norte, e mais especificamente no município de Jacobina, promoveu a interdição do aterro sanitário. Após solicitação da representação regional do MP-BA, profissionais de três equipes da força-tarefa foram acionados e visitaram o local.

A equipe de Gestão Ambiental foi a campo com o objetivo de verificar a regularidade do licenciamento e levantou informações que serão detalhadas com este fim. Uma das equipes de Saneamento analisou questões específicas para a construção e funcionamento de um aterro sanitário.

A FPI também convidou uma especialista em abelhas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), professora Generosa Sousa Ribeiro, para levantar informações relacionadas à proximidade do aterro aos criatórios de abelhas e à Unidade de Beneficiamento de Mel, no povoado do Paraíso, e seus possíveis impactos ambientais e sócio-econômicos.

Os produtores de mel calculam uma produção anual de oito toneladas. A maior parte é vendida para Santa Catarina. A Unidade de Beneficiamento de Mel contou com um investimento do Governo do Estado na ordem de R$ 180 mil.

“Este caso dimensiona a importância da participação de diversos órgãos e especialistas integrados em uma mesma ação, de forma multidisciplinar, complementando conhecimentos e saberes, em busca de soluções efetivas”, destaca a promotora de Justiça e Meio Ambiente, Luciana Khoury, que coordena a FPI. As informações são de assessoria.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.