CidadesCuriosidadesMenu PrincipalNegócioSaúde
Trending

Doença do mormo é controlada na Bahia após surto entre jumentos criados para exportação de carne

Não há registros da doença no estado desde fevereiro deste ano, quando a Bahia teve um surto da bactéria, que também pode atingir humanos.

Segundo informação divulgada pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), a doença do mormo, responsável pela morte de ao menos cinco jumentos na Bahia somente em 2019, está controlada no estado. O diretor geral do órgão, Maurício Bacelar, disse que não há registros da doença no estado desde fevereiro deste ano, quando a Bahia teve um surto da bactéria, que também pode atingir humanos. O último caso, segundo Maurício Bacelar, ocorreu em uma fazenda ilegal de criação para abate e exportação da carne de jumentos, na cidade de Euclides da Cunha.

Na ocasião, dois animais infectados com a doença foram sacrificados e a propriedade ficou temporariamente interditada. “O protocolo de sanidade animal recomenda que todos os animais da propriedade sejam submetidos a exame laboratorial num espaço de 30 dias, não sendo detectada a bactéria, o surto é considerado controlado e a propriedade desinterditada. Foi o que ocorreu em Euclides da Cunha”, disse o diretor.

Além de Euclides da Cunha, neste ano também houve registro na cidade de Feira de Santana. No entanto, segundo a Adab, nenhum humano foi infectado pelo mormo no estado. Ainda de acordo com Maurício Bacelar, o primeiro registro de doença de mormo na Bahia ocorreu em 2012, na cidade de Guanambi, na região sul. “Hoje não temos nenhuma ocorrência no estado. O último registro no estado foi em 2018, no município de Euclides da Cunha”, destaca.

Doença de mormo
O mormo é uma doença infectocontagiosa, que atinge equinos e que pode ser transmitida para humanos. Em animais, os sintomas da zoonose são: febre, fraqueza, corrimento viscoso nas narinas e a presença de nódulos subcutâneos, nas mucosas nasais, nos pulmões e gânglios linfáticos. O contágio acontece através do contato com o material infectante, como pus, secreção nasal, urina e fezes. As informações são do G1.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas