Pular para a barra de ferramentas
CidadesCuriosidadesEconomiaMenu Principal

Agente é condenada a pagar R$ 5mil a juiz que abordou em blitz da Lei Seca

gencia
Caso aconteceu no Rio de Janeiro. Servidora deverá pagar quantia por danos morais | FOTO: Agência Estado |

Uma agente de trânsito do Rio de Janeiro foi condenada a pagar R$5 mil ao juiz João Carlos de Souza Correa por danos morais. Ela havia parado o juiz durante uma blitz da Lei Seca em fevereiro de 2011, no bairro carioca do Leblon. Segundo a Justiça, a servidora abusou do poder ao abordar João Carlos, que estava sem carteira de motorista e dirigia um carro sem placa ou documentos. A sentença afirma que a agente “ofendeu o juiz, mesmo ciente da relevância da função pública por ele desempenhada”, citando ainda que ela teria dito que João Carlos era “juiz, mas não Deus”.

Durante a abordagem, a servidora alertou sobre a proibição de continuar a dirigir o carro e a necessidade de apreensão do veículo. Segundo ela, o magistrado, irritado, se identificou como juiz e lhe deu voz de prisão, determinando que ela fosse conduzida à delegacia mais próxima.

“Dessa maneira, em defesa da própria função pública que desempenha, nada mais restou ao magistrado, a não ser determinar a prisão da recorrente, que desafiou a própria magistratura e tudo o que ela representa. Além disso, o fato de recorrido se identificar como Juiz de Direito não caracteriza a chamada ‘carteirada’, conforme alega a apelante”, diz a sentença. O juiz afirma no processo que estava voltando do plantão judiciário noturno e nega ter ofendido a agente.

Vaquinha
Diante da decisão da Justiça, internautas se uniram para ajudar a agente de trânsito a pagar o valor e demonstrar repúdio à situação. Uma vaquinha virtual foi criada para auxiliá-la a arrecadar o valor. Até as 19h desta terça, a vaquinha já arrecadou quase 85% do valor necessário para pagar a multa. Do Correio 24h.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios