Polícia conclui inquérito e não indicia nenhum dos PMs envolvidos na morte de 12 pessoas em Salvador

Postado em jul 1 2015 - 6:14pm por Jornal da Chapada
foto1

MP denunciou, no dia 18 de maio, os nove PMs pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e tentativa de homicídio | FOTO: Reprodução/Carol Garcia/Secom |

Nenhum dos nove PMs da Rondesp envolvidos na operação que matou 12 pessoas no Cabula, em 6 de fevereiro, foi indiciado pela Polícia Civil no inquérito que apura a ação. Segundo fontes ligadas ao caso, o documento foi entregue pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ao juiz Vilebaldo José de Freitas Pereira, do 1° Juízo da 2ª Vara do Tribunal do Júri. Procurada, a Polícia Civil negou que o inquérito já tivesse sido entregue à Justiça, embora o prazo final fosse na terça-feira (30). A assessoria informou que o inquérito foi finalizado ontem, mas o delegado-geral Bernardino Brito Filho solicitou ter acesso a ele, antes de que fosse enviado à Justiça.

A assessoria informou ainda que o conteúdo do documento virá à tona em uma coletiva à imprensa. Segundo a Polícia Civil, a demora na conclusão do inquérito deu-se por causa dos laudos periciais, emitidos pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT), principalmente a reconstituição dos fatos, que durou nove horas, no dia 29 de maio. Logo após a reconstituição, o DPT informou que há indícios de que as mortes foram resultado de um confronto. A informação foi de encontro à investigação independente do Ministério Público Estadual (MP), que, após procedimento de investigação próprio, denunciou, no dia 18 de maio, os nove PMs pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e tentativa de homicídio.

A denúncia foi baseada nos laudos do próprio DPT, com exceção da reconstituição (que ainda não havia sido realizada), com informações das investigações do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e da Corregedoria da Polícia Militar, além de depoimentos de testemunhas e dos acusados. Os promotores Davi Gallo, José Emmanoel Lemos, Cassio Marcelo de Melo e Ramires Tyrone, fizeram os pedidos de prisão preventiva dos envolvidos. Na ocasião, o promotor Davi Gallo disse que a operação foi “execução” motivada por “vingança”. O promotor afirma que laudos de exame cadavérico descreveram as trajetórias das balas e que as vítimas já estavam rendidas e receberam tiros de cima para baixo a dos policiais militares. Matéria extraída na íntegra do Correio24h.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.