Deputado quer que Moro deixe de atuar como advogado da família Bolsonaro e pede CPI

Postado em fev 8 2019 - 4:36pm por Jornal da Chapada
valmir

Valmir ainda provocou dizendo que “os vestais da moralidade que têm aqui nesta Câmara devem assinar a CPI do Queiroz, porque não podem ser hipócritas e nem demagogos, dizer uma coisa e fazer outra” | FOTO: Divulgação |

O deputado federal baiano Valmir Assunção (PT) usou a tribuna da Câmara esta semana para pedir que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, deixe de atuar como advogado da família do presidente Bolsonaro (PSL). Na última quarta-feira (6), Assunção cobrou a investigação dos escândalos e que os parlamentares que apoiam Bolsonaro assinem o requerimento de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar Queiroz, ex-motorista de Flávio Bolsonaro e amigo da família do presidente.

“Quero falar aos parlamentares que dizem que vão calar o PT, que vão enfrentar o partido aqui nesta Casa, que nós estamos nas ruas, nos movimentos sociais em todo lugar defendendo aquilo que a gente acredita”. Valmir ainda provocou dizendo que “os vestais da moralidade que têm aqui nesta Câmara devem assinar a CPI do Queiroz, porque não podem ser hipócritas e nem demagogos, dizer uma coisa e fazer outra. Então, haverá a CPI do Queiroz para investigar as milícias, para investigar toda a situação que aconteceu no Rio de Janeiro”.

Fabricio Queiroz é investigado porque o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) detectou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na sua conta. Queiroz recebeu dinheiro de servidores que atuaram no gabinete do então deputado estadual pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro. O deputado também pediu que se investigue as ligações das milícias do Rio de Janeiro com a família Bolsonaro. “São as ligações criminosas das milícias que levaram ao assassinato da vereadora Marielle Franco, até hoje não desvendado”.

Sobre o Autor

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Deixe Uma Resposta

Você deve ser logando em para postar um comentário.