CidadesCuriosidadesEditorialMenu Principal
Trending

#Polêmica: Em resposta ao STJ, famílias de Marielle e Anderson pedem para não federalizar investigação

O ex-deputado estadual e conselheiro afastado do TCE-RJ Domingos Brazão negou que conheça uma testemunha que aponta o miliciano Orlando Curicica e o vereador Marcelo Siciliano como responsáveis pela execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

As famílias de Marielle Franco e de Anderson Gomes se posicionaram contra a federalização das investigações do assassinato e defenderam que o caso permaneça com o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro. A resposta foi apresentada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A Defensoria Pública também se manifestou e por meio de nota disse que sustentou “a permanência das investigações na esfera estadual em razão da participação da família e do controle externo da apuração do caso já realizado pelo Ministério Público do Rio (MPRJ)”.

A Defensoria enfatizou ainda que “nenhuma esfera está totalmente isenta a interferências”. A federalização tem sido defendida por Jair Bolsonaro, que foi citado no caso do porteiro de condomínio onde mora no Rio de Janeiro. O porteiro mudou a versão após ser ameaçado de prisão pela Lei de Segurança Nacional.

Caso o processo for federalizado sairá da Justiça Estadual e irá para a Justiça Federal. Com isso, a investigação passaria da Polícia Civil e do Ministério Público do estado para a Polícia Federal (PF), comandada pelo ministro Sergio Moro, que também defende a federalização, e para o Ministério Público Federal (MPF). A ministra Laurita Vaz é a relatora do caso no STJ. As informações são do site Brasil 247.

Jornal da Chapada

| Bem vindo ao espaço virtual do JORNAL DA CHAPADA |

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios
Pular para a barra de ferramentas